Publicidade
Cotidiano
CONDENADO POR EXPLORAÇÃO

Adail Pinheiro chega ao Compaj e ficará preso em cela ao lado de ex-policial 'Moa'

Ex-prefeito condenado por exploração sexual infantil vai usar o uniforme da cadeia e ficará em espaço destinado a presos que correm risco de morte 19/10/2016 às 15:21 - Atualizado em 19/10/2016 às 15:36
Show adail
Adail passou por exame de corpo de delito no IML (Foto: Jander Robson/Freelancer)
acritica.com* Manaus (AM)

Condenado por exploração sexual infantil, o ex-prefeito de Coari, Adail Pinheiro, chegou ao Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj) por volta das 13h30 desta quarta-feira (19). Segundo o secretário de Administração Penitenciária, Pedro Florêncio, Adail ficará em uma cela ao lado do ex-policial Moacir Jorge da Costa, o “Moa”. Adail foi transferido para o presídio após determinação judicial.

De acordo com Pedro Florêncio, após sair do Instituto Médico Legal (IML), Adail foi levado ao Compaj e realizou o processo de triagem. “Ele foi encaminhado a uma cela de seguro externo, local onde ficam presos que correm risco de morte. Ele deve ficar sozinho numa cela ao lado do ‘Moa’”, disse o secretário.

Conforme A CRÍTICA apurou, a cela de Adail tem o chão e a cama de concreto. O ex-prefeito usará o uniforme utilizado pelos outros detentos da unidade prisional. Ainda no local, Adail deverá utilizar uma latrina (espécie de vaso sanitário no chão) para fazer necessidades fisiológicas.

A reportagem tentou contato com a defesa de Adail Pinheiro por telefone, mas até o momento as ligações não foram atendidas.

Transferência

Na última sexta-feira (14), o juiz da Vara de Execuções Penais, Luís Carlos Valois, determinou a transferência do ex-prefeito de Coari, Adail Pinheiro, para o Compaj. Até então, Adail estava preso há dois anos e meio em uma cela do Comando de Policiamento Especializado (CPE), no bairro Dom Pedro.

Na decisão, o juiz Luiz Carlos Valois determinou que o processo fosse cadastrado como "em segredo de Justiça". Além disso, ele destacou a possibilidade de Adail progredir para o regime semiaberto, logo após ser transferido para o regime fechado do Compaj.

“Expedida a guia de recolhimento com a retificação ora determinada, expeça-se igualmente mandado de remoção para o recolhimento do apenado no Compaj (regime fechado), após o que, deve-se expedir certidões carcerárias e disciplinar para efeito de se examinar a possibilidade de progressão de regime para o regime semiaberto”, diz trecho do documento.

Saída de presos do CPE

Conforme publicado por A CRÍTICA na terça-feira (18), a Promotoria Especializada no Controle Externo da Atividade Policial (Proceap) enviou hoje ao Comando da Polícia Militar do Amazonas e à Secretaria de Segurança Pública (SSP-AM) recomendação para a saída dos presos de Justiça da carceragem improvisada no CPE.

A promotora e titular da 60ª Proceap, Cley Martins, esteve no CPE na segunda-feira (17) e inspecionou as instalações do local. Ela constatou que o espaço não possui qualquer estrutura para abrigar preços de Justiça. “A estrutura (do CPE) não propicia condições de trabalho nem ao que se propõe. Eles vivem em situação de penúria. Fere a dignidade da PM”, declarou ela ontem.

A recomendação do MPE tem como base o artigo 295 do Código de Processo Penal (CPP), que prevê a detenção de presos à disposição da Justiça “em local distinto da prisão comum”, a ministros, governadores, entre outros. 

*Com informações da repórter Joana Queiroz

Publicidade
Publicidade