Publicidade
Cotidiano
Notícias

AGU defende corte no aumento de salários no STF em 2015

Reajuste nos salários de ministros do Supremo Tribunal Federal teria impacto de 35% nos contas públicas, causando redução na prestação dos serviços públicos 25/09/2014 às 15:20
Show 1
Aumento de salários imporia R$ 16,8 bilhões a mais nas despesas
André Richter (Agência Brasil) Brasília (DF)

A Advocacia-Geral da União (AGU) enviou ao Supremo Tribunal Federal (STF) parecer no qual defende corte no aumento de salário aprovado pelos ministros da Corte. Segundo a AGU, o reajuste solicitado pelos membros do Supremo teria impacto de 35% nas contas públicas, causando redução na prestação dos serviços públicos.

O parecer foi incluído no mandado de segurança em que três associações de juízes contestam o corte no aumento, aprovado por meio de um projeto de lei do STF, e encaminhado ao Executivo para compor o Orçamento da União para 2015. Segundo o governo, o aumento nos salários imporia R$ 16,8 bilhões a mais nas despesas.

“Se a previsão da arrecadação não é das mais favoráveis, conclui-se que a proposta do Poder Judiciário é absolutamente incompatível com a realidade fiscal da União, porquanto contempla um aumento de despesa de pessoal substancial, sem prejuízo, é claro, do efeito cascata que isso gera para os demais entes federativos, que, fragilizados, teriam que arcar com os aumentos a serem concedidos aos membros dos Poderes Judiciários correspondentes”, argumenta a AGU.

Conforme a proposta aprovada pelo Supremo, a partir do dia 1º de janeiro do ano que vem, os ministros do STF passariam a ganhar R$ 35.919,00, caso o reajuste fosse aceito pelo Congresso Nacional. O salário atual é R$ 29.462,25. Para calcular o aumento, os ministros levaram em conta a recomposição inflacionária de 16,11%, referente ao período de 2009 a 2014. A proposta contempla também os servidores do Judiciário.

Outro reajuste para os ministros está previsto para o dia 1º de janeiro de 2015, de acordo com a Lei 12.771, de 28 de dezembro de 2012, que definiu o valor dos vencimentos dos ministros até 2015. Os vencimentos passarão para R$ 30.935,36.

Publicidade
Publicidade