Quarta-feira, 17 de Julho de 2019
DEFESA

'Algumas coisas podem ter sido ditas', diz Moro em audiência no Senado

Ministro afirmou que não tem como se lembrar se o conteúdo é verdadeiro, mas sustentou que não há qualquer ilegalidade de conduta nas conversas reveladas



MORO_A9719005-6AB5-456C-B1FE-2686FF5662F5.JPG
19/06/2019 às 09:46

Ouvido na Comissão de Constituição e Justiça do Senado na manhã desta quarta-feira (19),  o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, contestou a autenticidade das mensagens publicadas pelo site The Intercept Brasil, mas afirmou que "algumas coisas" podem ter sido ditas.

Moro se dispôs a ir à CCJ do Senado para explicar o conteúdo das reportagens que vem sendo publicadas pelo The Intercept Brasil há dez dias. Até aqui, já foram sete reportagens publicadas que mostram conversas via Telegram entre Sérgio Moro e o procurador Deltan Dallagnol, chefe da Força-Tarefa da Operação Lava Jato.

O ministro, apesar de dizer que não se recorda de todas as mensagens trocadas, tratou o tempo todo com normalidade o conteúdo das conversas reveladas pelo site.  "Qual o problema de mandar uma mensagem assim?", defendeu-se ele, ao ser questionado sobre a frase que teria sido enviada por ele a Dallagnol, "In Fux We Trust" (No Fux, Nós Confiamos).

"O que eu vejo ali, nas mensagens que foram divulgadas, tem algumas coisas que, eventualmente, eu possa ter dito. Tem algumas coisas que me causam estranheza", afirmou ele, sugerindo que possa ter havido alterações no conteúdo.  "Mas o fato é que ainda que tenha alguma coisa verdadeira, essas mensagens podem ser total ou parcialmente adulteradas, às vezes até com mudança de trecho ou palavra para caracterizar uma situação de escândalo que, no fundo, é inexistente".

Sérgio Moro afirmou ainda que saiu do Telegram em 2017 porque acreditou não ser um aplicativo muito seguro e que por isso "não pode afirmar se é autêntico ou não".  Para ele, há um grupo criminoso por trás da revelação das mensagens. "A minha opinião, em particular, embora os fatos estejam sendo investigados, é de que existe um grupo criminoso por trás desses ataques. Afinal, há uma grande quantidade de pessoas que sofreram invasões ou tentativas de invasões, o que aponta para a possibilidade de não ser um hacker isolado".

 

Receba Novidades

* campo obrigatório
News portal1 841523c7 f273 4620 9850 2a115840b1c3
Jornalismo com credibilidade

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.