Quarta-feira, 13 de Novembro de 2019
CLIMA AMAZÔNICO

Altas temperaturas e baixa umidade do ar gera 80% das consultas

Crianças e idosos acima dos 70 anos, cuja taxa de metabolismo está regredindo, são os mais afetados, diz médico



DOEN_A_4D3F701E-BD5F-435E-B511-16B26C5C31DC.JPG Foto: Divulgação
27/09/2019 às 20:54

Altas temperaturas, baixa umidade do ar e a pouca ingestão de líquidos. A combinação desses fatores resulta numa variedade de doenças respiratórias, responsáveis por 80% (4.480) dos casos atendidos no Pronto-Socorro da Criança da Zona Oeste, que recebe cerca de 5,6 mil pacientes por mês. As queimadas, comuns no verão manauara, agravam a situação. Crianças e idosos acima dos 70 anos, cuja taxa de metabolismo está regredindo, são os mais afetados.

Rinite, sinusite, amigdalite e asmas lideram o ranking. “Com a baixa umidade, as substâncias tóxicas ficam mais disseminadas no ar”, explica Luiz Afonso Britto, diretor técnico da unidade. “A mucosa nasal das crianças é muito sensível, o que acaba provocando uma reação inflamatória que, dependendo da intensidade, pode fazer surgir uma bactéria”. Os casos de laringite e laringite alérgica também se tornaram frequentes. A inflamação acomete crianças com predisposição à doença e pode ser acompanhada de cansaço.



De acordo com o médico, quase todas as crianças atendidas com problemas respiratórios estão desidratadas. A recomendação é beber entre 2 e 3 litros de água todos os dias, exceto para os bebês com menos de seis meses de idade – o leite materno possui a quantidade de água suficiente para atender às necessidades dos pequenos.

Outra medida preventiva é beber bastante água para tratar a mucosa, manter o ambiente arejado e usar umidificadores de ar. Na falta de um aparelho, pode-se improvisar uma bacia de água ou colocar uma toalha molhada perto da cabeceira da cama. Espalhar o vapor do chuveiro elétrico nos cômodos da casa também ajuda a conter os efeitos da seca. É aconselhável também evitar passeios no horário entre 10h e 14h.

“Sempre que a criança começar a tossir, a mãe deve procurar uma assistência médica. Para cada tosse, há uma doença específica. Os pais devem ficar atentos”, alertou o médico. Em média, quase 90% das entradas nas Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) são relacionadas a doenças respiratórias.

Combate ao Aedes

O calor costuma trazer consigo epidemias transmitidas por mosquitos, como dengue, chikungunya, zika e febre amarela. Pensando nisso, o Ministério da Saúde lançou neste mês, a campanha publicitária de combate ao mosquito.

O objetivo é conscientizar os gestores estaduais e municipais de saúde e toda a sociedade. Com o slogan “E você? Já combateu o mosquito hoje? A mudança começa por você”, a campanha  iniciou no último dia 12 e reforça a necessidade de cada um tomar a iniciativa de proteger a sua casa e de seus familiares contra o Aedes, responsável pela transmissão de três doenças: dengue, zika e chikungunya.

News d amorim 845c88c9 db97 48fa b585 f1c0cb967022
Repórter de Cidades
Formado em Comunicação Social/Jornalismo pela Universidade Federal do Amazonas (Ufam). Além de A Crítica, já atuou em uma variedade de assessorias de imprensa e jornais, com ênfase na cobertura de Cidades e Cultura.

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.