Sexta-feira, 24 de Maio de 2019
Notícias

Alterações do novo acordo ortográfico da língua portuguesa já estão valendo; saiba mais

Alunos das séries iniciais não sofrerão impactos com as mudanças, enquanto jovens e adultos terão mais dificuldades de adaptação às mudanças



1.jpg
Alterações vigoram 'pra valer' desde o dia 1º de janeiro
11/01/2016 às 16:00

BAIXE AQUI A ARTE COM AS REGRAS EM ALTA DEFINIÇÃO

Agora é oficial. O novo acordo ortográfico da língua portuguesa passou a valer no dia 1º deste mês. Desde 2009, quando foi implementado sem obrigatoriedade, as editoras e professores já  vinham se atualizando. Mesmo que a revisão não tenha sido radical, especialistas acreditam que jovens e adultos são os que terão mais dificuldades para se adaptar às novas regras do idioma.

Alunos das séries iniciais não sofrerão impactos com as mudanças, conforme explica a formadora de lingua portuguesa da Secretaria Municipal de Educação (Semed), Lucila Bonina.  “A forma de ensinar vai mudar a partir de agora. Para os alunos dos quatro primeiros anos a gente já nem coloca mais o problema de que antes se escrevia de uma forma e agora se escreve de outra”, explica.

As adequações foram feitas na tentativa de uma unificação da lingua para países que falam português. Para Lucila, não foram grandes transformações a ponto de causar insegurança na hora de escrever. De acordo com o Ministério da Educação (MEC), o acordo alterou apenas 0,8% dos vocábulos da língua portuguesa no Brasil.

“Existiram outros acordos na história da língua portuguesa muito mais radicais. Acredito que não haverá um grande impacto pelo fato de que já trabalhávamos paulatinamente ao longo desses anos em cima dessas regras. Os livros das bibliotecas, por exemplo são todos atualizados”, completa a professora. 

Mas, os alunos que vinham sendo alfabetizados precisam ficar atentos para  dominar as mudanças. “Os jovens e adultos terão mais dificuldades.  Talvez a mudança seja um elemento de dificuldade para os concurseiros. Antes as provas nem abordavam tanto as novas regras, mas acredito que a partir de agora, com a obrigatoriedade, os concursos darão mais visibilidade ao assunto”.

Dicas para adaptação

Uma das principais dicas dos especialistas para aqueles que ainda não tem o domínio da nova ortografia é praticar a leitura. “Para quem nunca olhou as novas regras, dê uma olhada. Essa é a primeira coisa. Existem sites muito bons que ensinam de forma simples essas mudanças”, enfatizou Lucila.

A professora  e técnica da gerência do Ensino Médio da Secretaria de Estado de Educação (Seduc), Lúcia Andrade, enxerga as mudanças de forma positiva. “A nova regra vai influenciar de forma positiva o aprendizado no Brasil. Vai abrir as portas e proporcionar um intercâmbio cultural e universitário entre os país que falam português”.

Uma das dicas da professora também é ler e fazer muitos exercícios. “Quem não é professor e não está neste processo de adaptação vai sentir um pouco mais que os outros. Por isso é importante ler muito. A maioria dos livros estão atualizados. Tirar uma hora do dia para fazer exercícios também pode fazer toda a diferença”, orienta.

‘K’, ‘w’ ‘e’ ‘y’ incorporados  ao alfabeto

Entre as principais mudanças da nova regra, está o  o acréscimo do k, w e y, aplicando  o alfabeto oficial para 26 letras. As letras já eram bastante usadas em várias palavras , como nomes indígenas e abreviações de medidas.

O trema foi eliminado e pode ser usado apenas em nomes próprios. Os acentos diferenciais também deixaram de existir, de acordo com as novas regras, eliminando a diferença gráfica entre pára (do verbo parar) e para (preposição). 

A grafia correta das palavras conforme as regras do acordo podem ser consultadas no Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa (Volp), disponível no site da Academia Brasileira de Letras (ABL) e por meio de aplicativo para smartphones e tablets.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.