Segunda-feira, 23 de Setembro de 2019
Casa própria

Alunos da UEA ensinam noções de construção civil para pessoas de baixa renda

Exército Brasileiro e Universidade do Estado do Amazonas (UEA) ministram aulas teóricas e práticas gratuitas de construção civil para militares e moradores do bairro São Jorge, na Zona Oeste



constru__o_civil.JPG A dona de casa Rosimary de Oliveira Siqueira, 34, afirma que está preparada para construir a sua casa com as próprias mãos (foto: Antônio Lima)
10/07/2016 às 20:44

A dona de casa Rosimary de Oliveira Siqueira, 34, sonha em poder reforma a sua casa, no São Jorge, Zona Oeste. Mas como ela não tem emprego fixo e as despesas para contratar a mão-de-obra e as compras de material de  construção, ela decidiu ousar: está colocando a “mão na massa” para realizar o grande sonho. 

“A minha casa está com algumas rachaduras, precisa de acabamentos e finalizar o muro. Como eu não tenho condições de pagar alguém para fazer, decidi eu mesma fazer”, contou ela. 

Rosimary faz parte da equipe de 25 alunos de um projeto de extensão da Universidade do Estado de Amazonas (UEA) em parceria com o Exército Brasileiro. Durante duas semanas, esses alunos recebem aulas teóricas e práticas (gratuitas) de construção civil. A atividade é  realizada pelo curso de engenharia civil.

O coordenador do projeto, Francisco Rocha, explicou que o curso básico de construção civil oferecido para pessoas de baixa renda é  uma forma de promover a extensão dentro da Universidade. Além de preparar melhor os alunos da graduação, ele também proporciona o conhecimento para a comunidade, criando oportunidade é capacitação de mão de obra.

“A academia tem três vertentes: ensino, pesquisa e extensão. O terceiro pilar era o que estava faltando para o nosso curso e com essa iniciativa, estamos trazendo um retorno para as pessoas”, ressaltou Rocha, ao destacar que todos os alunos serão  certificados após o término do curso.

Esta é a segunda turma em formação, desde que o projeto foi criado,  em agosto de 2015. E  de acordo com os coordenadores do projeto, os comunidades estão procurando para ampliar as atividades para outros bairros. 

O professor Fernando Fernandes, afirmou que tento a UEA  quanto o Exército têm  colaborado com a iniciativa, disponibilizando os equipamentos, materiais de construção e o espaço para os alunos colocarem a teoria em prática. O primeiro desafio da turma é  construir uma cantina no Clube da Agremiação dos Subtenentes e Sargentos da Amazônia (Asa), na Ponta Negra, Zona Oeste, conforme as referências que foram ensinadas em sala de aula. 

O soldado João Batista, 23,  tinha trabalhado como pedreiro antes de ser recrutado para as Forças Armadas. Apesar disso, ele contou que o curso foi importante para o seu aperfeiçoamento. “Eu sabia trabalhar isso mas aprendi da forma errada. Aqui estamos aprendendo a forma correta de fazer uma massa, de medir os espaços, e a minha intensão é  melhorar as técnicas para fazer o que é  certo quando for necessário”, afirmou. 

Pioneirismo

A aluna do 10º período de Engenharia Civil da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), Luana Demosthenes, é bolsista do programa. De acordo com ela, poder participar de uma iniciativa como essa é válida para o aluno porque ele pode colocar em prática as teorias aprendidas em sala de aula. 

Ela informou também que, além dela, outros 15 estudantes do curso de engenharia civil participam da atividade voluntariamente. A UEA é a pioneira a oferecer cursos gratuitos para a comunidade de noções básicas de construção civil, em Manaus.

Mulheres são mais detalhistas

A turma do curso de “Práticas recomendadas para a execução de casas populares de alvenaria utilizando a mão de obra da comunidade” é  forma por 25 alunos, sendo um grupo formado por militares do Exército e outro por moradores da Zona Oeste.

O que chama a atenção é a presença de duas mulheres na equipe. Para os professores, a presença feminina também é  importante porque as mulheres geralmente são mais concentradas a detalhistas. “Elas funcionam muito bem para fazerem acabamentos porque são mais críticas no serviço. Quando se dedicam, elas tendem  a ser melhores que os homens”, completou o professor Fernando Fernandes.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.