Publicidade
Cotidiano
ECONOMIA

Amazonas vai retirar vacina contra febre aftosa em 12 municípios a partir de 2019

Etapa de retirada da vacina será executada como plano de ação, incluindo fortalecimento do controle de trânsito, informatização do sistema de defesa a atualização da legislação 29/06/2018 às 16:50
Show adaf
Foto: Divulgação
acritica.com Manaus (AM)

O Estado do Amazonas, a partir de 2019, vai retirar a vacina contra a febre aftosa em 12 municípios da região sul do Estado. As ações serão coordenadas pela Agência de Defesa Agropecuária e Florestal do Estado do Amazonas (Adaf), órgão vinculado à Secretaria de Estado da Produção Rural (Sepror). O Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) confirmou o pleito para a retirada da vacinação durante a 3ª Reunião do Bloco I do Plano Nacional Estratégico de Prevenção e Erradicação da FebreAftosa (PNEFA), realizada em Rio Branco, nos dias 27 e 28 de junho.

“O estado foi bem avaliado em seu dever de casa pelo Mapa e todos os compromissos que o novo governo assumiu, não só cumpriu, como superou, principalmente nos itens de melhoria salarial, com aprovação do Plano de Cargos, Carreiras e Salário (PCCR) da Adaf e do concurso público previsto para acontecer ainda este ano”, comentou o diretor-presidente da Adaf, Sergio Muniz.

O titular da Adaf destaca que para esta nova etapa da retirada da vacina será executado um plano de ação. O plano terá metas que deverão ser cumpridas até o dia 28 de fevereiro de 2019, prazo máximo estipulado pelo Mapa. Entre as metas estão o fortalecimento do controle de trânsito, informatização do sistema de defesa agropecuária, a atualização da legislação de defesa animal n° 2.923 de outubro de 2004 e outras ações que beneficiarão o serviço de defesa agropecuária no Estado.

Municípios

Os municípios que estão previstos para a retirada da vacina contra a febre aftosa são: Apuí, Boca do Acre, Canutama, Humaitá, Lábrea, Manicoré, Novo Aripuanã, Pauini, Guajará, Envira, Eirunepé e Ipixuna. Todo o Estado pode receber o status livre de febre aftosa sem vacinação até 2020. O Amazonas é reconhecido internacionalmente como área livre de febre aftosa com vacinação pela Organização Mundial de Saúde (OIE) desde maio de 2018.

Esses 12 municípios representam mais de 70% do rebanho do Amazonas. Ao todo são 863 mil cabeças de gado entre bovinos e bubalinos. O Amazonas possui um rebanho total de 1.305.977. O município que se destaca com o maior rebanho entre bovino e bubalinos é Boca do Acre com 383.448. Em seguida, Apuí com 143.711 e em terceiro Manicoré com 109.566 cabeças de gado.

Apoio

De acordo com o diretor-presidente da Adaf, o Governo do Amazonas, através do Sistema Sepror (IDAM, ADAF, SEPA, ADS e SEAPAF) tem oportunizado apoio para o fortalecimento do serviço de defesa estadual e melhorado o trabalho de sanidade animal no Estado, com a aquisição de lanchas, veículos, computadores, recuperação da frota de veículos e além da ampliação e reforma de unidades locais da Adaf no interior durante este ano.

“Isto só está sendo possível graças às ações autorizadas pelo governador Amazonino Mendes, e o secretário José Aparecido dos Santos da Sepror, no sentido de fortalecer o serviço agropecuário do Amazonas”, comentou o diretor-presidente da Adaf, Sergio Muniz.

Sobre o plano

O Plano Estratégico 2017-2026 referente ao Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa (PNEFA), prevê a retirada da vacinação contra a doença até 2023 em todo o território brasileiro. De acordo com o Mapa, para iniciar este novo processo, o País foi dividido em cinco blocos. No bloco I integram os Estados do Acre e Rondônia, e agora a região sul  do Amazonas, incluindo os 12 municípios devido à localização geográfica.

“Em nome do setor privado nossos agradecimentos a Adaf e a Superintendência Federal do Amazonas pelo competente trabalho realizado, que foi fundamental para o anúncio do Mapa da aceitação do pleito do Amazonas de inclusão dos 12 municípios no bloco I para a retirada da vacina, onde Rondônia e Acre já estavam definido e retirarão a vacina contra aftosa já no primeiro semestre de 2019”, comemorou o presidente da Federação de Agricultura, Pecuária do Amazonas (FAEA), Muni Lourenço que participou da reunião do bloco I. 

A introdução de animais nos respectivos estados e cidades que compõem o bloco I não será permitida temporariamente, a entrada de animais vacinados, até o Brasil se tornar livre de febre aftosa sem vacinação. Atualmente, somente o estado de Santa Catarina é livre de febre aftosa sem vacinação.

Divisão do bloco

O Amazonas participa do bloco 2 (com 50 municípios), juntamente aos Estados de Roraima, Amapá e Pará. No Bloco 3 estão Alagoas, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí e Rio Grande do Norte; Bloco 4, Bahia, Distrito Federal, Espírito Santo, Goiás, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, Sergipe e Tocantins, e; no Bloco 5: Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraná e Rio Grande do Sul.

Publicidade
Publicidade