Publicidade
Cotidiano
Saúde

Após 12 anos da criação do Banco de Olhos, Amazonas avança na doação de córneas

Cerca de 100 pessoas estão na fila para realizar transplante de córnea no Amazonas. Em 2004 eram mais de 1,8 mil pessoas 30/09/2016 às 05:00 - Atualizado em 30/09/2016 às 07:57
Show add
Cristina Garrido: ‘Todos os dias nós recebemos doação de córnea, mas a demanda por transplante é muito grande’ (Fotos: Antônio Menezes)
Silane Souza Manaus (AM)

Cerca de 100 pessoas estão na fila para realizar transplante de córnea no Amazonas. Em 2004, quando o Banco de Olhos do Estado entrou em operação, eram mais de 1,8 mil pessoas. Graças ao gesto de doação, mais de 1,7 mil fizeram o procedimento e saíram da fila de espera de lá para cá. Hoje, a região caminha para zerar a fila de transplante desse tipo de tecido. 

A diretora do banco, Cristiana Garrido, comemora o crescimento das doações e transplantes de córnea, mas ressalta que o gesto precisa continuar avançado, tendo em vista que todos os dias novas pessoas entram na fila de espera. “É importante que as pessoas deixem seus parentes cientes quanto à vontade de ser doador, pois sempre chega novas pessoas na fila de espera por um transplante”.

Cristina conta que a doação de órgãos e tecidos só é feita quando a família autoriza. Logo, dizer em vida que é um doador é imprescindível. “Nós temos uma equipe especializada nos hospitais e no IML (Instituto Médico Legal) em conversar com a família para esclarecer sobre a doação de órgãos e tecidos. Ao doar, a pessoa, de certa forma, continuará viva, pois terá um pedacinho seu vivo em alguém por anos”.

Ela destaca a importância do Banco de Olhos, que existe porque a demanda de pessoas cegas, cujos olhos são perfeitos, mas tem cicatrizes na porção anterior que impedem a visão, é grande. “Há muito tempo não sabemos o que é ter um olho com perfuração ocular e não ter córnea para fazer o transplante. Aqui, fazemos a retirada e o transplante da córnea. A pessoa não precisa sair do Estado e o banco de olhos é público”.

A córnea é uma estrutura transparente localizada na porção anterior do globo ocular, que pode ser retirada até seis horas após a morte de uma pessoa. O procedimento para a retirada do tecido leva no máximo 15 minutos e não muda a aparência do doador. “É importante salientar que não fica nenhuma deformação após a doação, mesmo que seja retirado o olho todo”, afirmou Cristina Garrido.

Após ser retirada, a córnea é levada para o laboratório do Banco de Olhos do Amazonas, que fica na Fundação Hospital Adriano Jorge, para ser avaliada. No geral, o tecido pode ser armazenado por até 14 dias, mas muitas vezes não fica nem três. “Todos os dias nós recebemos doação de córnea, mas a demanda por transplante é muito grande. Elas ficam no máximo três dias até serem transplantadas”, disse.

Quem decide é a família

A atual legislação diz que todas as pessoas são doadoras em potencial. Por isso, não é necessário nenhum documento anterior. Quem decide pela doação é a família. Apenas após a decisão, três familiares assinam um termo de autorização.

Transplantes

Uma das principais causas de transplante de córnea no Amazonas, de acordo com a diretora do Banco de Olho do Estado, Cristina Garrido, é a ceratopatia bolhosa, gerada pelo trauma ocasionado por cirurgia intra-ocular (de catarata), seguida por infecções oftalmológicas, destas 19% são por causa do uso incorreto de lente de contato.

Blog: Marcelo Lobo - recebeu um transplante de córnea há um mês

"No dia 30 de julho deste ano, senti um incômodo nos olhos e procurei imediatamente o oftalmologista, mas ele não fez o diagnóstico correto e continuei com o desconforto. Só depois de 16 dias e com o sexto oftalmologista, foi que descobri que estava com infecção por um fungo. Tive a córnea perfurada e quase perdi meu globo ocular direito", disse o professor Marcelo Lobo, que fez um transplante há um mês. Depois de combater 80% da infecção, pude fazer o transplante no dia 31 de agosto. Estou com baixa visão, mas me recuperando muito bem. Não sinto mais dor. Se não tivesse a córnea no momento que precisei eu teria pedido a visão e para mim e minha carreira, sou professor, teria sido um grande impacto. Me sinto muito contente com a humanidade em saber que tem pessoas grandiosas para fazer esse gesto de doação. Com certeza, isso me inspira a ser também um doador. Hoje, podemos ver que as pessoas estão mais sensibilizadas com o processo de doação de órgãos e tecidos, isso nos sensibiliza mais ainda, especialmente quando é a gente que precisa de um transplante".

Tire suas dúvidas

O que é a córnea?

É uma superfície transparente que fica na parte da frente do olho. Por causa de doenças adquiridas por ferimentos ou por defeitos de nascimento, a córnea fica esbranquiçada provocando perda da visão. A recuperação pode ser feita através do transplante.

Como é feita a doação?

Até seis horas após o falecimento, a equipe do Banco de Olhos pode remover as córneas, se a família concordar.

Que partes do olho podem ser transplantadas?

Além da córnea, a esclera (parte branca). As outras partes podem ser utilizadas em pesquisas científicas para novas descobertas.

A aparência do paciente muda após a doação?

Não. Os procedimentos para a remoção das córneas não modificam a aparência do doador. Não ocorre deformação após a doação.

Que documentos são necessários?

A atual legislação diz que todas as pessoas são doadoras em potencial. Por isso, não é necessário nenhum documento anterior. Quem decide pela doação é a família. Apenas após a decisão, três familiares assinam um termo de autorização.

Quem pode ser doador?

Qualquer pessoa acima de 02 (dois) anos de idade. Nem mesmo o uso de óculos impede a possibilidade da doação.

O que acontece com as córneas doadas?

Depois de avaliadas e preservadas, as córneas são doadas para um paciente que está precisando de transplante. A escolha do receptor é feita pela ordem de urgência, seguindo a Lista Única de Receptores. A inscrição na Lista é feita pelo médico que acompanha o paciente (receptor).

O que é o transplante?

É uma cirurgia para substituição da córnea doente por uma nova córnea (doada). A fixação da nova córnea é feita com um fio muito fino e com a ajuda de um microscópio cirúrgico.

Como é garantida a qualidade das córneas doadas?

O Banco de Olhos utiliza materiais, equipamentos e procedimentos seguros, de acordo com as normas nacionais e internacionais de qualidade. Além disso, uma amostra do sangue do doador é testada para doenças transmissíveis, como Hepatite B, C e HIV.

Publicidade
Publicidade