Publicidade
Cotidiano
MINISTÉRIO DA SAÚDE

Amazonas concentra 78,02% dos casos confirmados de sarampo do País

São 1.579 casos de sarampo confirmados em todo Brasil. No Amazonas, são 1.232 casos confirmados e 7.439 sob investigação 05/09/2018 às 15:43 - Atualizado em 05/09/2018 às 16:39
Show sarampo 90f1a9a3 408a 4ef5 9c27 31ffb7c09322
Foto: Divulgação
Rafael Seixas Manaus (AM)

Os casos de sarampo confirmados em todo País chegaram a 1.579 até o dia 3 de setembro, segundo dados divulgados nesta quarta-feira (5) pelo Ministério da Saúde. O surto da doença afeta dois estados, o Amazonas, que já computa 1.232 casos confirmados, o que representa 78,02% do total; e Roraima, com 301, o que compreende 21,98%. O levantamento foi consolidado a partir de informações das secretarias estaduais. Todos os casos estão relacionados à importação.

O Amazonas também conta com a maioria dos casos em investigação. Dos 7.513 investigados no Brasil, 7.439 são do Amazonas. Em Roraima, há 74 que continuam em investigação. Entre os confirmados em Roraima, 9 casos foram atendidos no Brasil e estão recebendo tratamento, mas residem na Venezuela.

Até o momento, no Brasil, foram confirmados 8 óbitos por sarampo, sendo 4 óbitos em Roraima (3 em estrangeiros e 1 em brasileiro) e 4 óbitos no Amazonas (todos brasileiros, sendo 2 do município de Manaus e 2 do município de Autazes). A maioria das vítimas que vieram a óbito no Amazonas tinham idade inferior a 1 ano – público-alvo da Campanha Nacional de Vacinação que durou até o dia 31 de agosto. O último caso de morte em decorrência da doença no Estado foi de uma mulher de 44 anos, do município de Autazes.

Segundo o Ministério da Saúde, os surtos estão relacionados à importação, já que o genótipo do vírus (D8) que está circulando no Brasil é o mesmo que circula na Venezuela, país que enfrenta um surto da doença desde 2017.  Alguns casos isolados e relacionados à importação foram identificados nos estados de São Paulo (2), Rio de Janeiro (18), Rio Grande do Sul (18), Rondônia (2), Pernambuco (4) e Pará (2).

O órgão informou que permanece acompanhando a situação e prestando o apoio necessário aos estados e que as medidas de bloqueio de vacinação, mesmo em casos suspeitos, estão sendo realizadas em todos os estados.

Publicidade
Publicidade