Quinta-feira, 25 de Abril de 2019
publicidade
1.gif
publicidade
publicidade

Notícias

Amazonas encerra o trimestre com queda de 27,2% em exportações

Redução nas vendas de motocicletas para Argentina foi o principal motivo da queda de US$ 49,46 milhões nas exportações, segundo MDIC


21/04/2015 às 18:20

O Amazonas segue sem boas notícias quando o assunto é comércio exterior. O Estado encerrou o primeiro trimestre do ano com queda de 27,2% nas exportações de componentes e produtos acabados. O volume de vendas para fora do País, que entre janeiro e março de 2014 era de US$ 234,22 milhões caiu para US$ 170,76 milhões este ano. As informações são do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC).

De acordo com o levantamento, o grande “vilão” dos números de exportação de Polo Industrial de Manaus (PIM) no período foi a baixa comercialização de motocicletas de baixa cilindrada, principalmente para a Argentina, o principal comprador do item.

Entre janeiro e março, deixaram o País, a partir das fábricas amazonenses, 4.636 motos, totalizando U$$ 13,40 milhões. Foram 16.371 unidades a menos em relação a 2014, quando 21.007 motocicletas foram vendidas. Em relação ao volume de vendas, a retração foi de 69,24%, frente ao montante acumulado no mesmo período do ano passado (US$ 43,56 milhões).

publicidade

Crise

O presidente do Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de Manaus (Sinmen), Athaydes Mariano Félix, avaliou que os números negativos são resultado de uma recessão econômica que já afeta há algum tempo países da América Latina, como é o caso da Venezuela e da Argentina. Segundo ele, esse cenário, somado à situação da economia brasileira e da crise em que já se encontra o setor de duas rodas, afetou não apenas o número das exportações, mas também o mercado interno e a produção industrial. “Um dos reflexos foi, a antecipação das férias coletivas nas grandes fábricas do segmento no PIM, tudo por conta do estoque alto. Nossa expectativa é que a situação volte a patamares mais confortáveis a partir de julho”, apostou.

Para o gerente do Centro Internacional de Negócios da Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (CIN/Fieam), Marcelo Lima, a recuperação do segmento deverá ser lenta e gradual. “Vamos ter que aguardar pelo menos até junho para ver o ritmo do setor voltar a crescer”, projetou o dirigente. 


publicidade
publicidade
Bolsonaro e Paulo Guedes se contradizem ao falar sobre Zona Franca de Manaus
Jerônimo Antunes renuncia do cargo no Conselho da Petrobras
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade

publicidade
publicidade

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.