Sexta-feira, 22 de Novembro de 2019
Notícias

Amazonas faz acordo para importar calcário mais barato

O Estado amazonense deverá importar cerca de 10 mil toneladas de calcário por mês do Estado de Rondônia



1.jpg Rondônia é produtor do minério
13/07/2012 às 09:44

A Secretaria Estadual de Mineração, Geodiversidade e Recursos Hídricos (SEMGRH) está intermediando um acordo entre os agricultores amazonenses e a Companhia de Mineração de Rondônia para viabilizar a importação de calcário a preços mais competitivos.

De acordo com o secretário de mineração, Daniel Nava, a compra direta do insumo terá impacto positivo na produção agrícola e, principalmente, na recuperação de áreas degradadas.



Inicialmente o Amazonas deverá importar cerca de 10 mil toneladas de calcário por mês do estado de Rondônia, começando em novembro deste ano, quando entra em operação a planta de beneficiamento deste insumo, no município de Pimenta Bueno.

Daniel Nava explicou que hoje os agricultores amazonenses chegam a pagar mais de R$ 400 por uma tonelada de calcário, enquanto nos estados produtivos o produto não chega a 20% do valor praticado no Amazonas. Ele disse ainda que a importação direta de calcário poderá resultar numa redução superior a 50% no valor que hoje é pago pelos agricultores dos municípios de Humaitá, Apuí, Lábrea, Manicoré e Novo Aripuanã, na região Sul do Amazonas.

O secretário destaca também o impacto positivo que a redução do custo do calcário terá na recuperação ambiental das propriedades rurais. “Comprando calcário mais barato, os agricultores poderão reduzir as áreas degradadas”, disse.

Utilização

Calcários são rochas formadas a partir do mineral calcita, cuja composição química é o carbonato de cálcio. O calcário é o principal produto utilizado para corrigir a acidez do solo, na produção de cal e de cimento.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.