Publicidade
Cotidiano
Notícias

Amazonas tem queda no número de vagas de empregos criados

Negativo de postos de trabalho atingiu 6.027. Dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) 24/01/2015 às 14:56
Show 1
Em todo o País também houve queda no número de novos empregos
ACRITICA.COM ---

Em 2014, o Amazonas teve saldo negativo de 6.027 postos de trabalho em relação a 2013. Os dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados ontem. O setor que mais contribuiu foi o de indústria de transformação com saldo negativo de 6.103. Em seguida, está o setor de construção civil com 4.958.

Já o setor de comércio registrou saldo positivo de 3.059. E o de serviços fechou o ano com saldo de 2.050 empregos, devido aos bons resultados dos subsetores de alojamento, alimentação e medicina.

Dezembro foi o principal responsável pelo saldo negativo de 2014. “O mês de dezembro historicamente possui resultados negativos para a indústria, pois a produção de estoque de vendas é feita nos meses anteriores, além disso, a entressafra agrícola, e o período de chuvas também contribuem para os números negativos do Estado”, explica o superintendente Regional do Trabalho e Emprego do Amazonas, Edson Rebouças.

País

A criação de empregos com carteira assinada teve em 2014 o pior resultado da série histórica iniciada em 2002, informou, ontem, o Ministério do Trabalho e Emprego. No ano, foram gerados 397 mil novos postos de trabalho, desempenho 64,5% inferior a 2013, quando o saldo atingiu 1,1 milhão de vagas.

O resultado do Caged, divulgado ontem em Florianópolis, foi o menor em 12 anos e frustrou a previsão de criar 1,5 milhão de vagas feita pelo ministro Manoel Dias no início do ano passado. Em Santa Catarina, sua base eleitoral, o ministro tentou minimizar o mau resultado ao atribuí-lo a algumas peculiaridades de 2014.

“Houve uma campanha de que a Copa do Mundo não seria realizada, o que gera um insegurança e retrai o investidor”, disse. “Também tivemos eleições acirradas, que criaram uma ideia de que o Brasil vivia uma crise, estava quebrando. Isso criou uma expectativa em alguns setores”.

Mesmo longe de suas previsões, ainda assim Dias viu uma tendência positiva na performance. “O que é importante é que nos continuamos acrescentando postos de trabalho no estoque”. Em dezembro, o mercado de trabalho registrou encolhimento de 555 mil vagas. Foi o pior resultado para o mês desde 2008.

Publicidade
Publicidade