Terça-feira, 23 de Julho de 2019
Notícias

Amazonas terá injeção de R$ 1,73 bilhão proveniente ao 13º salário

Em todo o Estado, 936 mil pessoas serão beneficiadas com o abono, que representa aproximadamente 2,1% do PIB local



1.gif Inaldo Seixas, do Dieese, recomenda que consumidores reservem parte dos recursos para pagamentos de dívidas
05/11/2014 às 08:33

Aproximadamente, R$ 1,73 bilhão será injetado na economia amazonense até o final de 2014. Esse valor é proveniente do 13° salário que será pago até o mês de dezembro. Em um estudo divulgado ontem pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), esse valor representará 2,1% do Produto Interno Bruto do Estado do Amazonas, que é estimado para fechar o ano em torno de R$ 81 bilhões. Esse número representa um aumento do valor do salário, do número de trabalhadores e dos aposentados no País.

Segundo o supervisor Técnico do Escritório Regional do Dieese no Amazonas, Inaldo Seixas, o valor médio desse montante, é de R$ 1.750,09. A quantia foi obtida com a divisão do valor total pelo número de pessoas. Neste ano também houve um aumento de 6,3% do valor médio em relação a 2013, quando o pagamento do benefício foi de R$ 1.646,41.

No Amazonas 936 mil pessoas devem receber o abono de fim de ano, cerca de 2,1% superior ao cálculo feito ano passado. Os empregados do mercado formal, celetistas ou estatutários representam 70%, enquanto os pensionistas e aposentados do INSS correspondem a 30%. O emprego doméstico com carteira assinada participa com 1,4%.

Para Seixas, os números mostram que houve um aumento no mercado formal e de aposentados, mas o fator determinante para a elevação do montante foi a melhoria do salário. “Houve um aumento da aposentadoria e do rendimento dos trabalhadores. Além disso, o acréscimo mostra que a política de valorização do salário mínimo é boa porque ela empurra também determinados pisos pra cima”, justificou.

Ainda de acordo com o supervisor, os números da pesquisa trazem um alento para aqueles que estão preocupados com a situação econômica do País. “É um estudo bem interessante, pois serve para tirar um pouco desse pessimismo de que está tudo ruim. Estamos com recorde de formalização e com a menor taxa de desemprego da história e isso significa que tem muita gente trabalhando e consumindo”.

Governo do Estado

O Governo do Amazonas pagará a segunda parcela do 13º salário do funcionalismo nos próximos dias 11 e 12 de dezembro. No total, serão aproximadamente R$ 170 milhões a serem injetados na economia estadual, sendo que nesta segunda parcela incidem os descontos do Imposto de Renda (IR) e da Amazonprev, a previdência estadual.

O pagamento dos 50% restantes do benefício reforçará o orçamento familiar de mais de 90 mil servidores nesse final de ano. A folha especial será paga logo após o salário deste mês de novembro. A primeira parcela do 13º foi quitada em julho. “Certamente será uma injeção de recursos importante para movimentar a economia da cidade de Manaus e do interior do Amazonas”, destacou o governador do Estado, José Melo.

Consumidores preferem pagar dívidas

De acordo com Seixas, muitas pessoas utilizam a renda extra para as compras de fim de ano como presentes, roupas, insumos para a ceia de Natal, ou até mesmo para viajar. Porém é cada vez maior a quantidade de brasileiros que empregam esse dinheiro para quitar dívidas ou economizar visando as despesas pagas em janeiro.

“Cada vez mais a população tem tido esse comportamento de quitar as dívidas ou economizar visando o aumento das despesas no início do ano como IPTU, IPVA, escola dos filhos, pois eles prevêem que só o salário de janeiro não será suficiente”, afirmou. O abono pode ser importante para reorganizar a economia. “Se um consumidor endividado quitar suas dívidas, ele entra o ano novo com sua capacidade de consumo melhorada”, disse.

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.