Publicidade
Cotidiano
Sem ajuda de custo

Amazonenses em tratamento fora do Estado denunciam Susam de atrasar ajudas de custo

O TFD, benefício garantido a pacientes do Amazonas em hospitais fora do Estado, não vem sendo pago há meses, segundo denunciantes no Ceará e em São Paulo 14/10/2016 às 19:07 - Atualizado em 14/10/2016 às 19:09
Show hemodialise na clinica de rim   fts ronildo melo   ascom sesau
Quem faz tratamento em outro local enfrenta diversas dificuldades (Foto: Agência Brasil)
Vinicius Leal Manaus (AM)

Sofrer de uma doença e precisar viajar para fora da sua cidade a fim de fazer tratamento em outro estado é algo penoso. Quem passa por isso enfrenta diversas dificuldades como conseguir passagem aérea e hospedagem para si e para um acompanhante, a vaga em um hospital especializado e ainda superar o medo de não resistir. Mas pacientes do Amazonas que vivenciam isso tem algo a mais para se preocupar.

Segundo amazonenses que se tratam em unidades de saúde nas cidades de São Paulo (SP) e Fortaleza (CE), o benefício do Tratamento Fora de Domicílio (TFD), uma ajuda de custo garantida e paga pelo Governo do Estado, está atrasado há meses. “O TFD já é pago com um mês de atraso, mas agora atrasou dois meses. E aqui a gente paga aluguel, energia, remédio, comida”, disse Valdeci Tapudima Simão, 48, esposo de Ana Rita Moreira Libório, 41, paciente renal à espera de um transplante.

Ana Rita sofreu de insuficiência renal quando tinha 16 anos e perdeu os dois rins. Desde então, por 25 anos, ela diariamente filtra o sangue por meio de um rim artificial, o processo da hemodiálise. “Está com dois anos que descobrimos esse tratamento aqui em Fortaleza, que é referência. Em Manaus não tem. Ela fez um ano de exames e tratamento e agora está na fila do transplante, e só consegue vaga quem mora aqui”, disse Valdeci. Ana Rita faz hemodiálise no Rim Centro, no interior do Ceará, mas o transplante ocorrerá no Hospital das Clínicas, em Fortaleza.

Segundo a Secretaria de Estado de Saúde (Susam), responsável pelo pagamento do TFD, o programa garante a pacientes como Ana Rita o transporte aéreo e a ajuda de custo, com acompanhante. “Todo mês a gente recebe com atraso. É uma dificuldade para receber esse dinheiro. A gente liga para saber uma posição e não atendem. Dizem que os telefones estão com problema. Tem gente que está mandando parentes lá para tentar resolver”, completou Valdeci.

A situação deles em Fortaleza é similar a do amazonense Gláucio Santana Braga, de 45 anos, que também é paciente renal e faz o tratamento no Hospital do Rim em São Paulo. Ele já é transplantado, mas corre o risco de perder o órgão novamente devido outra doença, a proteinúria, excesso de proteínas na urina. “Estou com dois meses sem receber o TFD. Eu vinha de três em três meses, mas comecei a tomar medicações devido às novas complicações e estou correndo o risco de perder o rim de novo. Por isso estou aqui, de aluguel”, disse.

Passando por dificuldades financeiras para sobreviver na capital paulista, Gláucio pretende interromper o tratamento para vir a Manaus tentar resolver o TFD. “Estou com uma amiga aqui me acompanhando. A última consulta foi hoje e queriam me internar. Mas vou ter que parar meu tratamento aqui para ir a Manaus resolver isso. Foi uma briga para os médicos me liberarem. Fiz um empréstimo, mas não vou ficar aqui passando fome e dificuldade”, disse.

Em resposta às denúncias de atraso no pagamento do benefício, a Susam informou que “o programa está sendo reformulado e foi modificada a forma de repasse”. Antes “era feita em conta bancária e agora passará a ser disponibilizada através de um cartão benefício”. Segundo a Susam, a coordenação do TFD está “efetivando o cadastro de todos os pacientes beneficiários” e orientando a todos que “procurem a coordenação que o problema será identificado e solucionado”.

“Eles fazem a gente de besta. Não fomos informados de nada. Só deram uma senha e um código e não atendem ao telefone. Sabendo que estou em Fortaleza fazendo tratamento eles mandaram o meu cartão para pegar em Manaus. Somos transplantados e não podemos viajar”, disse Silvana Guimarães de Matos, de 35 anos, também paciente renal em tratamento em Fortaleza.

Publicidade
Publicidade