Publicidade
Cotidiano
TARIFA

Aumento da energia no Amazonas será cobrado a partir de dezembro, diz Eletrobras

Residências terão aumento de 21,54% e indústrias de 17,78%, segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica. Reajuste havia sido suspenso em novembro e será cobrado a partir de dezembro 29/11/2016 às 14:51 - Atualizado em 30/11/2016 às 08:37
Show energia
Energia elétrica ficará mais cara no Amazonas (Foto: Lucas Silva/AC)
acrítica.com Manaus (AM)

A diretoria da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou nesta terça-feira (29), em reunião pública, o reajuste tarifário da Amazonas Distribuidora de Energia (AmE). Os novos percentuais entram em vigor a partir da publicação no Diário Oficial da União (DOU). A empresa atende 775 mil unidades consumidoras localizadas no Estado do Amazonas. O reajuste havia sido suspenso em novembro e será cobrado a partir de dezembro, conforme a Eletrobras Distribuição Amazonas. 

De acordo com o reajuste, consumidores residenciais terão o valor da energia elétrica 21,54% mais caro, ao passo que para indústrias, o aumento será de 17,78%.

Ao calcular o reajuste, conforme estabelecido no contrato de concessão, a Agência considera a variação de custos associados à prestação do serviço. O cálculo leva em conta a aquisição e a transmissão de energia elétrica, bem como os encargos setoriais. Os custos típicos da atividade de distribuição, por sua vez, são atualizados com base no IGP-M.

De acordo com a Eletrobras, o reajuste anual médio na tarifa de energia elétrica aplicada no estado do Amazonas será de 20,01% e será cobrado a partir de dezembro, proporcional e gradativamente, conforme o ciclo de faturamento e vencimento de cada cliente.

"A nova tarifa, calculada e homologada pela Aneel, reflete os custos de transmissão, de compra de energia e encargos setoriais, bem como os novos níveis regulatórios de perdas da Eletrobras Distribuição Amazonas, ou seja, prevê uma recuperação na tarifa das perdas globais de 2015".

O efeito médio da alta tensão refere-se às classes A1 (>= 230 kV), A2 (de 88 a 138 kV), A3 (69 kV) e A4 (de 2,3 a 25 kV). Para a baixa tensão, a média engloba as classes B1 (Residencial e subclasse residencial baixa renda); B2 (Rural: subclasses, como agropecuária, cooperativa de eletrificação rural, indústria rural, serviço público de irrigação rural); B3 (Industrial, comercial, serviços e outras atividades, poder público, serviço público e consumo próprio); e B4 (Iluminação pública).

Mais informações sobre reajustes tarifários podem ser consultadas no endereço eletrônico www.aneel.gov.br, no link entendendo a tarifa.

Publicidade
Publicidade