Publicidade
Cotidiano
Notícias

Ao falar sobre Pizzolato, Janot manda recado para quem esconde recursos no exterior

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, comentou a extradição de Henrique Pizzolato, condenado no mensalão, e fez “referência” ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha 23/10/2015 às 13:56
Show 1
Rodrigo Janot, procurador-geral da República
Maria Carolina Marcello (Reuters) Brasília

Ao comentar a extradição de um condenado no mensalão, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, afirmou que a Justiça, assim como o crime organizado, ultrapassa fronteiras e vale tanto para foragidos quanto para quem “esconder” recursos em outros países, no que pode ter sido uma referência ao presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

“Fica também um recado muito claro para as pessoas que cometem ilícitos: é que se o crime hoje é um crime organizado, e que muitas vezes não respeita fronteiras, as decisões judicias agora, fica aí a prova cabal disso, é que as decisões judiciais valem também além das fronteiras dos respectivos países nacionais”, disse Janot a jornalistas ao comentar a extradição do ex-diretor de marketing do Banco do Brasil Henrique Pizzolato, condenado na ação penal do mensalão.

“Seja para aqueles que fogem para evitar o cumprimento da pena, seja para aqueles que escondem valores, dinheiro, outros bens de valor no exterior. A Justiça brasileira está apta a alcançar pessoas e bens fora do seu limite territorial.”

A Procuradoria-Geral da República comandada por Janot conduz investigações de pessoas com foro privilegiado, caso de Cunha, alvo de inquérito que apura a existência de contas bancárias em seu nome e de sua esposa, Cláudia Cruz, na Suíça.

Na quinta-feira, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki decretou o bloqueio e sequestro de cerca de 10,4 milhões de reais depositados dessas contas.

"Não adianta esconder bens fora do Brasil, porque a cooperação intensa, a cooperação jurídica internacional hoje intensa permite identificar esses valores e a recuperação desses valores”, disse Janot nesta manhã.

Cunha vem negando reiteradamente que tenha essas contas, repetindo o que disse à CPI da Petrobras de que não possui contas no exterior e que tenha recebido "qualquer vantagem referente à estatal.

Publicidade
Publicidade