Sábado, 20 de Abril de 2019
publicidade
1.jpg
publicidade
publicidade

Notícias

Aplicativos móveis crescem e chamada de táxis se popularizam por meio de smartphone

Aplicativos para chamada de táxi começam ganhar cada vez mais usuários em Manaus, onde 40% da frota já está conectada ao serviço que alia tecnologia e praticidade ao consumidor. Diferentes apps atendem a públicos diversos


12/04/2015 às 15:26

A praticidade e a comodidade dos aplicativos para pedir táxi, conhecidos dos brasileiros do Sudeste, já começam a tomar gosto dos manauaras. Em Manaus, 40% da frota total já está cadastrada em aplicativos como Easy Taxi. Só da plataforma 99Taxis há cerca de 1.000 taxistas ativos. A Easy Taxi já possui um time de operações que cuida especificamente da região Norte, divulgando e cadastrando novos taxistas diariamente. Também realiza ações de marketing para promover a marca.

Um deles é Wellington Alencar, 31 anos, que começou a utilizar o serviço há três meses como forma de complementar as viagens que realiza pela rádio táxi em que está vinculado. A vantagem, segundo Wellington, é que a contribuição para o profissional que trabalha com aplicativo paga uma taxa 8% de adesão, enquanto as rádio táxis cobram 17%. “Pouca gente ainda conhece, mas as pessoas do Rio e de São Paulo, que costumam se hospedar em hotéis de Manaus, começaram a usar por aqui”, conta.

Wellington diz que pega, em média, seis corridas por dia, mas acredita que a tendência é que a ferramenta se popularize mais. “Tem pessoas que ainda tem barreira de como lidar com as novas tecnologias. Para taxistas de rádio taxi ainda é como se fosse um algo a mais. Só o aplicativo ainda é pouco”, comenta.

A servidora federal Ana Paula Batista adotou o 99Taxi para pedir táxi no ano passado e diz que não tem do que reclamar. “Não espero nem cinco minutos. Conheci em Belo Horizonte e uso muito lá. Passei a usar em outras capitais também”, conta ela que viaja com frequência. “É muito prático e seguro. A vantagem é que não preciso ficar na rua me expondo esperando um táxi. E o telefone de rádio taxi eu nunca tenho guardado. Então o aplicativo é uma mão na roda. Só pago com cartão porque quase não ando com dinheiro com medo de assalto. É difícil pegar um táxi na rua que aceite cartão. Então já opto pelo aplicativo por essa comodidade”, diz.

Ela conta que recurso já a salvou de apuros na Europa. “Usei na França quando já tinha passado hora de metrô e não tinha um táxi na rua. O aplicativo me salvou e foi super rápido”.

Adepto do 99Táxi, o funcionário público Steve Conte também enumera as vantagens de utilizar o recurso, o que ele considera muito prático e eficiente. “O aplicativo tem uns filtros e você pode colocar algumas especificações, como pedir carros com ar-condicionado, carros que aceitem animais, carros que caibam mais bagagens. Também aparece o nome, placa, veículo e localização do motorista de táxi. Interessante que você acompanha o roteiro, mas o tempo de espera e razoável”, conta Steve, que prefere pagar as corridas em dinheiro.

Mais populares

Aplicativo de chamada de táxi mais utilizado no mundo, o Easy Taxi é uma empresa que surgiu como um start up e hoje se faz presente em 30 países. Hoje, já são mais de 17 milhões de usuários, cerca de 400 mil taxistas cadastrados pelo mundo e aproximadamente 1300 funcionários.

CEO da empresa, Dennis Wang comemora a expansão do serviço no Brasil. “Nós vemos uma migração muito forte, porque o taxista não precisa pagar taxa de adesão e mensalidade e tem a corrida mais próxima, não tem que esperar na fila”.

Segundo Denis, o Easy Taxi ajudou ao mercado a expandir a forma de pagamentos eletrônicos, que antes era de 30% hoje é mais de 50% da frota brasileira, e melhorar a conveniência para o cliente.

A 99Taxis foi fundada em 2012 por três conhecidos geeks da Internet brasileira, Paulo Veras (CEO), Ariel Lambrecht (diretor de produto) e Renato Freitas (diretor de tecnologia). Hoje o aplicativo tem mais de 2.5 milhões de downloads no Brasil.

A carona VIP do Uber

O aplicativo Uber, que oferece um serviço de motorista particular mais “VIP” chegou ao Brasil em 2014 mas já vem causando uma baita polêmica.

Na semana passada, taxistas organizaram protestos em cinco cidades brasileiras - São Paulo, Curitiba, Rio de Janeiro, Distrito Federal e Belo Horizonte -  pedindo que o serviço seja banido do País, já que não utiliza motoristas de táxi profissionais e é considerado pela categoria um serviço ilegal e desleal para a concorrência. 

Criado em 2010 nos Estados Unidos e famoso por utilizar carros pretos de luxo, o Uber já é utilizado em 55 países e mais de 300 cidades, entre elas São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília e Belo Horizonte.

Apesar de se considerar uma empresa de tecnologia que presta serviços de transporte, o Uber funciona semelhante a um táxi, já que cobra a bandeirada pelo início da corrida e uma tarifa por minutos ou quilômetros rodados. A cobrança vem no cartão de crédito informado no cadastro do usuário e o recibo é enviado por e-mail.

Manauara lança app

Para não ficar de fora do mercado, a Manauara Rádio Táxi resolveu contratar uma empresa de São Paulo para desenvolver seu próprio aplicativo de chamada, lançado há três meses. “Quem não se adequar vai ficar fora do mercado. Temos que fazer alguma coisa para nos sobressair das demais”, disse o proprietário da empresa, Elenildo Freitas.

O aplicativo oferece recursos como agendar um pedido de táxi para outro dia ou outro horário e acompanhar em tempo real a movimentação do táxi. “É uma segurança para o cliente, para ter para quem reclamar. Nosso diferencial é a credibilidade que a rádio taxi tem no mercado”, explicou. Até agora 350 dos 380 motoristas da Manauara já estão utilizando a ferramenta.

publicidade
publicidade
Educador indígena da rede estadual lança livro sobre a vida Munduruku
Blogueira é apreendida e homem preso ao tentar vender celular roubado
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade

publicidade
publicidade

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.