Publicidade
Cotidiano
Notícias

Após mobilização, Semad promete pagar adicional para guardas municipais do AM

Secretário municipal de Administração, Serafim Meireles disse nesta terça-feira (4) que o auxílio de periculosidade será pago para todos os agentes 05/11/2014 às 09:06
Show 1
Cerca de cinquenta guardas municipais realizaram um ato público na segunda-feira na Câmara Municipal de Manaus
Janaina Andrade Manaus-AM

Após a Guarda Municipal ameaçar paralisar os serviços e pressionar por mudanças nas condições de trabalho, nesta terça-feira (4), a Secretaria Municipal de Administração, Planejamento e Gestão (Semad) disse que atenderá parte da demanda da categoria referente ao pagamento do adicional de periculosidade (risco de vida) para todos os guardas municipais.

De acordo com o secretário da Semad, Serafim Meireles, nesta terça-feira pela manhã, uma equipe técnica foi formada para realizar um levantamento de quantos e quais guardas municipais ainda estão sem receber o adicional de periculosidade. “Este é um direito adquirido, e se estava ocorrendo este erro, a Prefeitura de Manaus garante que, ainda na folha de pagamento do mês de novembro, será incluído o adicional de periculosidade para aqueles guardas municipais que não vinham sendo beneficiados”, garantiu Meireles.

Já a criação do estatuto da Guarda Municipal, de acordo com o secretário da Casa Civil, Lourenço Braga, está sob análise de uma comissão composta por membros da Casa Civil e Militar. “Não temos prazo para a conclusão do estatuto, mas desde meados de abril estamos trabalhando nisso, pois há questões híbridas”, justificou. Segundo ele, hoje a Guarda Municipal não é apenas composta por militares, mas também por civis, daí a necessidade de discussões mais detalhadas.

Membros da Guarda Municipal de Manaus estiveram, na segunda-feira, na CMM reivindicando a saída do atual chefe da Casa Militar, coronel Fernando Farias, responsável pelo comando da corporação. O pedido foi feito após um microônibus que serve de base para a Guarda Municipal, na Ponta Negra, ter sido alvejado por tiros, por volta das 2h, deste sábado.

Entre as demandas da categoria esta, também, a aplicação, por parte do município, do Projeto de Lei 1.332/2014, aprovado e sancionado pelo governo federal, que prevê o uso de arma de fogo pelos guardas municipais.

Os servidores ocupavam o auditório da Casa Legislativa desde às 9h, e às 10h um grupo de guardas municipais foi recebido pelo presidente da CMM, vereador Bosco Saraiva, o líder do prefeito na Casa, Wilker Barreto (PHS) e os vereadores de oposição Professor Bibiano e Waldemir José (PT).

Publicidade
Publicidade