Sábado, 25 de Maio de 2019
PERDIDO

Após nove dias perdido na selva, missionário é encontrado por bombeiros no Amazonas

Vladimir Menezes Cunha, de 59 anos, estava desaparecido nas proximidades da comunidade indígena do Limoeiro, em Lábrea



6f146633-1727-4ac4-bf37-403f2e25918a_52B4E329-2419-4A6A-8C43-706622632EA8.jpg
Foto: Divulgação
03/04/2019 às 11:41

O Corpo de Bombeiros do Amazonas localizou o missionário Vladimir Menezes Cunha, de 59 anos, que estava desaparecido há nove dias na selva, nas proximidades da comunidade indígena do Limoeiro, dentro do município de Lábrea, a 852 quilômetros de Manaus. No primeiro trimestre, 11 ocorrências de busca e resgate em ambiente de floresta foram registradas pelos bombeiros.

Segundo o Corpo de Bombeiros, o missionário Vladimir Menezes Cunha sumiu na manhã do dia 24 de março, após sair para uma atividade na floresta. Ele não retornou à comunidade indígena e, dentro do prazo de 24 horas, os membros da igreja foram até a delegacia de Polícia Civil em Lábrea para registrar o desaparecimento dele.

Dois dias depois, no dia 26 de março, o Corpo de Bombeiros foi acionado e, de prontidão, o chefe de Estado Maior Geral, coronel Jair Ruas Braga, designou três bombeiros para fazer as primeiras buscas pelo missionário. “Os bombeiros partiram na manhã do dia 27 de avião para a operação de busca, salvamento e resgate. Ficamos monitorando toda a ação para ver se precisaríamos enviar um efetivo maior”, disse o coronel.

De acordo com o soldado bombeiro Danilo Ferreira, a equipe também contou com a ajuda de comunitários e indígenas. “Fizemos buscas em uma área de 70 quilômetros de distância da comunidade. Tivemos a ajuda dos ribeirinhos e indígenas. Os bombeiros pernoitaram por dois dias na mata seguindo os rastros do desaparecido, mas até então sem sucesso”, relatou Danilo.

Dado o tempo e tamanho da área onde supostamente o missionário havia desaparecido, o coronel Ruas, que também era comandante da operação, encaminhou mais uma equipe com sete militares da capital que chegaram à comunidade Indígena do Limoeiro na segunda-feira, 1º de abril. “Enviamos mais sete militares e retornamos com a primeira equipe”, explicou o coronel.

As buscas estavam dividas em terrestres e aquáticas. Então, na manhã de ontem (2), ao ouvir a movimentação das equipes, o missionário gritou por socorro. “Nós o encontramos abatido, com desidratação, mas estável, considerando o quadro de outras vítimas desse tipo de ocorrência. O missionário foi levado para a comunidade onde foi aferida a sua pressão arterial. Ele também foi submetido a aplicação de soro para sua hidratação”, explicou o chefe de Estado Maior Geral.

Segundo o coronel Ruas, o quadro de saúde do minissionário foi considerado estável. “Pensando com cautela, nosso objetivo é levá-lo à capital para que seja submetido a exames médicos e cuidados especiais”, disse o chefe de Estado Maior Geral.

*Com informações da assessoria de imprensa


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.