Publicidade
Cotidiano
OPERAÇÃO TRAÍRA

Após operação do MP, presidente da Fepesca nega desvios de recursos

Presidente do órgão, Walzenir Falcão, disse que a federação dará os esclarecimentos necessários ao Ministério Público. Operação Traíra apontou desvios de R$ 7,8 milhões 08/12/2017 às 12:09
Show fepesca
Presidente negou as acusações feitas nessa quinta-feira (7) (Foto: Euzivaldo Queiroz)
Camila Pereira Manaus (AM)

Um dia após a Operação Traíra realizada pelo Ministério Público do Estado (MPE-AM), onde foram apontados desvios de R$ 7,8 milhões, o presidente da Federação dos Pescadores do Estado do Amazonas (Fepesca), Walzenir Falcão, sem dar maiores detalhes, negou as informações e disse que dará os esclarecimentos necessários ao órgão ministerial.

Ontem, o MPE-AM deflagrou operação para desarticular uma organização criminosa que fraudava convênios entre a Fepesca e o Governo do Amazonas. Foram executados 26 mandados de busca e apreensão, na capital e no município de Manacapuru.

"A Federação se comportou de forma clara. Abriu as portas e também recebi a equipe de policiais na minha casa. Eles levaram a documentação que acharam pertinente", destacou Falcão.

"Vamos mostrar através de documentos. Tenho uma visita a fazer no Ministério Público no dia 12. Eles estão acusando e é um direito deles, fazer as denúncias. Cabe a nós a defesa".

Sobre o fato dos recursos da Federação terem dobrado em pleno período eleitoral, o presidente disse que será esclarecido ao MPE-AM tudo o que foi feito.

"Não fizemos acordos técnicos de cooperação financeira só em época de eleição. Em 2014, agora eleição 2018, será que vamos ter esse acesso? Interessante quando se faz só através de período eleitoral. Existem outras instituições. Se o convênio coincidiu com o período eleitoral é uma coisa, agora, não sou o governo. Quem aprova o projeto é o governo. Vamos mostrar o que foi feito e onde".

Questionado sobre o acesso de pescadores ao projeto "Pescando Cidadania", o presidente da Fepesca disse que os convênios foram realizados e tudo será comprovado. "Vamos dizer onde foi feito e como foi aplicado, onde a federação ministrou. Se o governo emitiu o certificado através da secretaria", disse ele.

Publicidade
Publicidade