Domingo, 15 de Setembro de 2019
polêmica do pescado

Após vídeo, Orlando Cidade nega ser dono de pescado apreendido e desacato a PMs

Deputado ligou para o governador reclamando da ação do Batalhão Ambiental no dia da apreensão (10), no município de Manacapuru. Para A Crítica, ele disse que a meia tonelada de pirarucu apreendida não era sua



11/07/2016 às 16:44

Após a repercussão negativa do vídeo em que foi visto desacatando policiais militares e pedindo a intervenção do governador José Melo (Pros) durante uma apreensão de peixes feita pelo Batalhão Ambiental em Manacapuru (distante a 80 quilômetros de Manaus), o deputado estadual Orlando Cidade (PTN) rebateu os relatos que o produto fosse seu.

“Isso é invenção de blogueiro, incentivado pelo Batalhão Ambiental que, fez aquela filmagem, e me chamou de mentiroso”, disse o parlamentar, a despeito de também ter afirmado no vídeo que se tratava de seus peixes.

Quanto ao desacato diante dos policiais, ele rebate que “também é uma autoridade” e defende sua atitude. “Eu fiz um boletim de ocorrência na polícia, representei contra os três [policiais]. Por que eu representei? Porque eles me desacataram. Não sei por que [os blogs] não colocaram isso, mas que eu fiz, eu fiz”, declarou Orlando.

Entenda o caso

Durante uma operação de fiscalização no último domingo (10), o Batalhão de Policiamento Ambiental apreendeu 588 quilos de pirarucu fresco em duas bancas situadas no município de Manacapuru (distante a 80 quilômetros de Manaus). Durante o episódio, o deputado Orlando Cidade tentou impedir a apreensão do material.

Segundo a corporação, o proprietário da banca apresentou duas guias de comercialização, uma vencida e outra que só entraria em validade a partir do dia 21 de julho.

De acordo com a assessoria de imprensa do órgão, no momento que foram apresentadas as notas, a equipe informou que faria a apreensão do pescado, pois estava em desacordo com a legislação vigente. Enquanto fazia o recolhimento da carga, o proprietário apresentou duas guias de comercialização que legalizava o material, porém, ao analisar mais minuciosamente os documentos, foi encontrado o mesmo código de acesso em ambos os certificados de origem, configurando que havia ocorrido fraude.

O proprietário do pescado foi preso conforme o art. 171 do Código Penal Brasileiro que fala que obter, para si ou para outrem, vantagem ilícita, em prejuízo alheio, induzindo ou mantendo alguém em erro, mediante artifício, ardil, ou qualquer outro meio fraudulento.

Confira nota de repúdio:

A Associação dos Praças do Estado do Amazonas (APEAM) vem a público repudiar veementemente a postura do deputado estadual Orlando Cidade que tentou INTIMIDAR e OBSTRUIR o trabalho dos Policiais Militares do Batalhão Ambiental ontem (10/07), durante uma apreensão de pescado ilegal, em Manacapuru/AM.

O parlamentar inclusive faz uma ligação ao governador José Melo para reclamar da ação dos PMs. É notório o tráfico de influência e constrangimento ilegal praticado pelo deputado Orlando Cidade. Lamentamos o comportamento de uma pessoa pública que deveria fiscalizar e zelar pelo cumprimento da lei, mas estava tentando obstruí-la, e intimidando os agentes da segurança pública que tentavam cumpri-la.

Parabenizamos aos Policiais do Batalhão Ambiental pela excelente ação e colocamos à disposição o setor jurídico da APEAM para total apoio. Ressaltamos ainda que estes bons profissionais NUNCA devem se intimidar por quem quer que seja, pois estão apenas cumprindo seu dever em prol da sociedade amazonense.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.