Publicidade
Cotidiano
La Muralla 2

'Arranha a imagem de qualquer instituição', diz presidente do TJAM sobre operação

Operação da Polícia Federal tem como alvo desembargadora e juiz da capital. Ação deflagrada nesta quinta-feira (9) visa aprofundar suposto esquema de negociações judiciais e 15 mandados devem ser cumpridos 09/06/2016 às 10:15 - Atualizado em 09/06/2016 às 12:18
Joana Queiroz e Oswaldo Neto

“Uma situação como essa arranha a imagem de qualquer instituição”, afirmou o presidente do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM), Flávio Pascarelli, sobre a operação “La Muralla 2”, que investiga um juiz e uma desembargadora da capital. De acordo com a Polícia Federal, 15 mandados devem ser cumpridos, entre eles os de oito advogados.

De acordo com a Polícia Federal, na segunda fase, a ação conta com a participação de mais de 100 policiais federais além de representantes do Supremo Tribunal de Justiça (STJ) e da Procuradoria Geral da República (PGR), que se deslocaram para a capital amazonense para compor algumas das equipes.

Na lista dos mandados de busca e apreensão está a desembargadora Encarnação das Graças Salgado e o juiz da Vara de Execuções Penais (Vep), Luís Carlos Valois. Viaturas da Polícia Federal realizam os cumprimentos no Fórum Ministro Henoch Reis e no Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM).

De acordo com o presidente do TJAM, desembargador corregedor Flávio Pascarelli, a questão está sendo tratada pelo STJ, no entanto, o tribunal não possui informações oficiais sobre o teor dos mandados. “Nós sequer sabemos do que se trata exatamente. Apenas recebemos uma determinação para acompanhar o cumprimento do mandado”, disse ele.

Pascarelli também afirmou que ainda não entrou em contato com os envolvidos na operação. “Hoje ainda não conversei com a desembargadora Encarnação nem com o Valois. Até então não vi motivos para investigá-lo (Valois). Dizem que o doutor Valois libera presos. O doutor Valois tem um ideal e defende esse ideal atuando na jurisdição. Nunca veio nenhuma representação contra ele na Corregedoria. Uma situação como essa arranha a imagem de qualquer instituição. É um fato constrangedor, mas faz parte do procedimento democrático”, declarou.

“La Muralla 2”

Foi deflagrada na manhã desta quinta-feira (9), pela Polícia Federal do Amazonas, a operação "La Muralla 2". Desta vez os alvos principais são membros do judiciários e advogados, entre eles a desembargadora Encarnação das Graças Salgado e o juiz da Vara de de Execuções Penais (Vep), Luiz Carlos Valois. Na primeira fase da operação, deflagrada no ano passado, 194 mandados foram cumpridos. 

De acordo com a Polícia Federal, a operação visa aprofundar as investigações relacionadas à existência de um suposto esquema de negociações de decisões judiciais, envolvendo autoridades do Poder Judiciário do Estado Amazonas, para beneficiar integrantes de uma facção criminosa.

Segundo o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil no Amazonas  (OAB/AM), Marco Aurélio Choy, a instituição acompanha os mandados de busca e apreensão em quatro escritórios e quatro residências de advogados. Os primeiros nomes divulgados são: Maria Goreth Terças de Oliveira, Luciana da Silva Terças, Flavícia Dias de Oliveira e Klinger da Silva Oliveira. 

Em novembro do ano passado, a Polícia Federal deflagrou a  Operação La Muralla, tida como a maior operação já realizada no Amazonas para desarticular o tráfico de drogas, sendo um dos alvos a facção criminosa Família do Norte (FDN), grupo envolvido com tráfico e homicídios.

Publicidade
Publicidade