Publicidade
Cotidiano
MEDIDA

Municípios vão solicitar redução do ICMS de combustíveis ao Governo do Amazonas

Segundo presidente da Associação Amazonense de Municípios (AAM), o imposto representa 25% do valor cobrado nas bombas dos postos 25/05/2018 às 15:20 - Atualizado em 25/05/2018 às 15:47
Show gasolina
Foto: Reprodução/Internet
acritica.com Manaus (AM)

Para evitar que greve dos caminhoneiros crie uma crise no abastecimento de combustíveis no interior do Estado, o presidente da Associação Amazonense de Municípios (AAM), Andreson Cavalcante, vai solicitar ao governo do Amazonas uma redução na alíquota do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). A medida é fruto de um pedido feito pela Secretaria da Presidência da República aos presidentes das associações de municípios de todo o país.

De acordo com a AAM, o imposto representa 25% do valor cobrado nas bombas dos postos. Por sua vez, Andreson explica que ainda não foi registrada a falta de combustível no interior, mas os preços já foram afetados. Em alguns municípios é possível verificar gasolina sendo vendida por R$ 7 e o diesel a R$ 5.

“O pedido da presidência da república foi que articulemos com nossos governadores a sensibilização para a situação. Assim podemos garantir a cooperação dos estados nesse momento”, explicou o presidente, que solicitará uma reunião como o governador Amazonino Mendes para tratar do assunto.

Ainda segundo ele, a falta de combustível pode gerar uma série de outros problemas como escassez de itens de consumo e até de energia elétrica, uma vez que cerca de 90% das cidades do interior são abastecidas por termoelétricas, que necessitam de combustíveis fósseis para gerar eletricidade.

“Não apenas os transportes terrestres, mas também os fluviais, que representam 90% da nossa logística, podem ser afetados se essa situação não for resolvida de maneira rápida. Todo o Brasil sofre com essa crise, mas o Amazonas sente impactos ainda maiores por conta das nossas singularidades. Nosso acesso é mais difícil e sem abastecimento a economia dos municípios será afetada diretamente”, explicou Andreson.

Para o presidente da AAM, o comércio ilegal de gasolina e diesel também é uma preocupação das prefeituras do interior, uma vez que com a escassez nos postos e os altos preços das bombas, o contrabando acaba se tornando atrativo aos consumidores, principalmente em cidades que fazem fronteira com países como a Colômbia.

Publicidade
Publicidade