Publicidade
Cotidiano
Notícias

Bancários encerram greve e aceitam proposta de reajuste no Amazonas; Basa ainda não aderiu

A categoria aceitou a proposta da Federação Nacional dos Bancos e todas as agências bancárias voltarão a funcionar a partir da próxima segunda (14) 11/10/2013 às 20:41
Show 1
Fim da greve de bancários será definida pela categoria
Bruna Souza e Vinicius Leal Manaus (AM)

Após 23 dias de greve, as agências bancárias no Amazonas voltarão a funcionar nesta segunda-feira (14) após o Sindicato dos Bancários do Amazonas (SEEB) aceitar, durante assembleia, a proposta da Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) feita, ainda na madrugada desta sexta, ao Comando Nacional dos Bancários, em Brasília.

Apenas o Banco da Amazônia (Basa) ainda não aderiu à proposta, o que deverá ser decidido em assembleia na próxima segunda (14), às 18h. Os outros funcionários dos bancos amazonenses aceitaram o aumento de 8% no salário com ganho real de 1,82%; de 8,5% do piso salarial, com ganho real de 2,29%; e de 10% sobre o valor fixo da regra básica e sobre o teto da parcela individual da Participação nos Lucros e Resultados (PLR).

"Foi um balanço bastante positivo. Não foi o que a gente queria, mas também não foi o que eles propuseram (inicialmente)", declarou o presidente do SEEB, Nindberg Barbosa dos Santos. Segundo ele, foi anunciado para nível nacional a contratação de três mil bancários para o Banco do Brasil e de 5 mil novos funcionários para a Caixa Econômica.

"A gente espera que a Fenaban oriente os bancos privados a seguir o mesmo exemplo e contrate mais pessoas", declarou Nindberg. No Amazonas 128 agências ficam sem funcionamento durante a greve. "A adesão de nove municípios do interior foi coisa que nunca tinha acontecido", disse.

A compensação do tempo que os bancários ficaram parados será realizada com uma hora a mais de expediente até o dia 15 de novembro deste ano, a partir da assinatura da ACT. "A população entendeu que o movimento era legítimo. Os dias parados foram anistiados e vamos compensar os clientes", finalizou Nindberg.

Publicidade
Publicidade