Publicidade
Cotidiano
Notícias

Banhistas ignoram riscos e invadem área interditada da Ponta Negra, neste domingo (29)

Invasão à área voltou a se repetir no dia de hoje; frequentadores alegam que não sabiam da proibição do banho no local, apesar das placas 29/11/2015 às 18:39
Show 1
Aviso de medida de segurança é ignorado por banhistas, mesmo sabendo dos risco que podem sofrer na praia
acritica.com Manaus (AM)

Na tarde deste domingo (29), dezenas de pessoas violaram o aviso de interdição e foram flagradas tomando banho na área interditada da praia da Ponta Negra. Na semana passada várias pessoas também estavam no local proibido. Mesmo após o flagra, a fiscalização não aumentou e quantidade do efetivo de guardas é o mesmo.

Os responsáveis pela fiscalização e segurança na praia são o Corpo de Bombeiros, a Polícia Militar e a Polícia Metropolitana de Manaus. No entanto, o trabalho não está sendo feito como determina o termo de ajustamento de Conduta (TAC). Pelo menos é o que explica o supervisor responsável pela guarda metropolitana, Carlos Moutinho.

“A guarda metropolitana  fiscaliza toda área da Ponta Negra em cima e em baixo, e nós dependemos da ajuda da Polícia Militar e do Corpo dos Bombeiros. Mas hoje,  por exemplo, a PM veio somente pela manhã e até agora ninguém do turno da tarde apareceu” disse.

Durante o dia os bombeiros são responsáveis de  retirar os banhistas da água e nós conduzimos eles para fora da área interditada. Mas os banhistas não respeitam a fiscalização e sempre voltam para água” contou o supervisor.

Ele relata que o problema é que os banhistas estão vendo a placa, mas ainda assim ignoram o aviso de interdição e não ligam para o perigo.  Desculpas como ‘Não vi a placa’, ‘não assisto a TV’ e ‘não sabia’ que estava interditada”, são as mais frequentes.

Ele explica que o ideal para combater a invasão dos banhistas seria um efetivo em média de 60 homens para cada turno. “De 7h as 19h ficariam 30 homens e de 19h as 7h da manhã mais 30 isso para podermos dar conta de toda a área e impedir a invasão da área interditada.

Segundo o supervisor, a guarda metropolitana não possui armamento e quadriciclos próprios e isso também dificulta ainda mais a fiscalização, porque a praia é muito extensa.

“À noite tem áreas lá em baixo que não possuem iluminação e como não usamos arma é perigoso para a nossa própria segurança, assim fica difícil”, desabafou.

TAC

A praia da Ponta Negra foi interditada pela Prefeitura de Manaus no dia 27 de outubro para cumprir ao Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) assinado em 2013 junto ao Ministério Público do Estado.

Publicidade
Publicidade