Publicidade
Cotidiano
Biblioteca

Biblioteca Comunitária no bairro de Flores reúne acervo de 8 mil livros

A biblioteca conta com um acervo de mais de 8 mil livros de literatura. O projeto é do pedagogo e fundador do projeto, Jorge Klein 01/09/2016 às 14:55 - Atualizado em 01/09/2016 às 14:58
Show 1129718
Para ser inaugurada, a biblioteca precisa de mesas, cadeiras e armários (Fotos: Evandro Seixas)
Alik Menezes Manaus (AM)

Após quatro anos da ideia de montar uma Biblioteca Comunitária, no Conjunto João Bosco, no bairro Flores, o projeto ganhou força no ano passado, mas ainda não tem data definida para a inauguração. Faltam mesas, armários e cadeiras.

A biblioteca conta com um acervo de mais de 8 mil livros de literatura. O sonho é do pedagogo e fundador do projeto, Jorge Klein. “É um espaço para formar e incentivar leitores de todas as idades, principalmente crianças. Esse projeto tem mais de quatro anos, mas só ano passado começou a ganhar forma porque recebemos ajuda de empresas como a Aliança Navegação, que nos deu o contêiner”, explicou.

Apesar da grande empolgação de Klein, a inauguração está dependendo de doações de mesas, cadeiras e armários para inaugurar. De literatura infantil a de auto-ajuda, os livros se amontoam ao longo dos 12 metros do contêiner. “Estamos loucos para ver essa biblioteca cheia de gente, de pessoas em busca de conhecimento e de entretenimento, mas para isso acontecer estamos dependendo de armários para organizarmos os livros e de cadeiras para os leitores se acomodarem”, explicou.

Aberto aos sábados

O espaço será aberto para pessoas do Conjunto João Bosco e de bairros Adjacentes e funcionará sempre aos sábados das 9 horas às 17 com intervalo para o almoço. Segundo Klein, a comunidade poderá ler os livros na própria biblioteca, mas também poderão levar os livros para suas casas, assinando um termo de compromisso que devolverá.

“Poderão ler tanto dentro da biblioteca quanto na área externa. Como é um bosque, há a possibilidade de armar redes e ficar se embalando curtindo uma boa leitura. Quem não tiver rede, pode estender uma lona ou uma toalha no chão e ler à vontade. É uma área que não é aproveitada e esperamos ver muitas pessoas aqui ao redor conhecendo novas histórias por meio de todas essas literaturas”, contou empolgado.

Além de um ambiente diferenciado, a biblioteca também contará com palestras e oficinas para incentivar o hábito de ler em pais e filhos. “Palestras são fundamentais para conscientizar os pais de que ler literatura é o processo para o sucesso escolar”, declarou.

A inauguração da Biblioteca Comunitária depende apenas de doações de mesas, cadeiras e armários. Se você tiver alguns desses móveis e quiser doar, pode entrar em contato com Jorge Klein pelo perfil dele no Facebook e pelo número (92) 98114-4100.

Jorge Klein é pioneiro e grande incentivador de leitura tanto que em 2007 fundou o projeto Navegando e Lendo. Neste projeto pelo menos dez embarcações do Estado receberam doações de 80 a 100 livros. “Já imaginou passar seis dias dentro de um barco sem ter nada para fazer? Essa é uma grande oportunidade de se ler um bom livro. Não tem nada melhor do que ler em uma rede enquanto navega pelos rios do Amazonas”, disse.

Tanto o projeto Navegando e Lendo quanto o Biblioteca Comunitária não receber qualquer tipo de incentivo do governo estadual e municipal.

Livros doados de vários Estados

Moradores do Conjunto João Bosco estão ansiosos com a inauguração da biblioteca. Para o estudante Caio Victor, 21, iniciativas como essa deveriam ser incentivadas pelos governos.

“Nós não vemos iniciativas desse tipo dos governantes. Eles deveriam olhar para isso com mais carinho porque uma estrutura como essa é uma excelente ferramenta para se estimular a educação”, disse.

O estudante apoiou a iniciativa e espera ansioso pela inauguração. Ela destacou que além de incentivar a leitura, a biblioteca ocupará um espaço público que é abandonado. “Todos as pessoas que conheço estão empolgadas com esse projeto, esperamos que essa inauguração aconteça logo, mas é uma pena que só vai abri uma vez na semana”, disse.

O acervo da biblioteca foi composto por livros doados de várias regiões do País como São Paulo, Rio Grande do Norte, Bahia, mas a maioria foi doado por pessoas do Amazonas.

Publicidade
Publicidade