Publicidade
Cotidiano
POLÍTICA

Bolsonaro definirá ministros em até 30 dias após eleição, diz presidente do PSL

Segundo Gustavo Bebianno, já há muitos nomes mapeados para os cargos do alto escalão, mas a indicação ainda depende da vitória nas urnas e de uma conversa com o economista Paulo Guedes 23/10/2018 às 19:29 - Atualizado em 23/10/2018 às 19:47
Show bolsonaro xxxxxxxxxxx 5252de0e 08e0 43b0 aa83 67d3afda42e4
Foto: Divulgação
Reuters Rio de Janeiro (RJ)

O candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, definirá os nomes de seus ministros e dos presidentes de estatais em até 30 dias após a eleição, caso vença o segundo turno da corrida presidencial no próximo domingo, disse nesta terça-feira o presidente do PSL, Gustavo Bebianno.

Segundo ele, já há muitos nomes mapeados para os cargos do alto escalão, mas a indicação ainda depende da vitória nas urnas e de uma conversa com o economista Paulo Guedes, indicado para ser ministro da Fazenda em um eventual governo Bolsonaro.

“A tendência é que mude tudo (nas estatais)”, disse Bebianno a jornalistas antes de chegar na casa do empresário Paulo Marinho, na zona sul do Rio.

“Em trinta dias já vai estar tudo desenhadinho. É um avanço grande nos nomes. O cardápio já tem muitos nomes, mas para evitar especulação, só depois da eleição”, acrescentou.

Bebianno afirmou ainda que não está descartada a manutenção do presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, caso Bolsonaro, que lidera as pesquisas de intenção de voto, vença no domingo.

“O Ilan é um bom quadro e um bom nome, mas a escolha quem vai fazer é ele (Bolsonaro) com Paulo Guedes”, disse Bebianno. No fim de semana Bolsonaro já tinha cogitado a hipótese de manter o atual presidente do BC.

Na semana passada, a Bloomberg disse, citando duas fontes com conhecimento do assunto, que Ilan se prepara para deixar o governo no final deste ano com o término do governo do presidente Michel Temer.

Bebianno também disse que Bolsonaro não buscará fazer os presidentes da Câmara dos Deputados e do Senado, ao mesmo tempo que o dirigente partidário fez a avaliação de que não é saudável a concentração de poder no Executivo e no Legislativo. Bebianno disse que a ideia é que o governo Bolsonaro tenha perfil de centro-direita.

“Nós entendemos que uma concentração de poder no Executivo e no Legislativo talvez não seja saudável e Câmara e Congresso têm vida própria”, disse o presidente do PSL, acrescentando que, se vencer no domingo, Bolsonaro deve ir a Brasília já na semana que vem para tratar do início da transição de governo.

Publicidade
Publicidade