Publicidade
Cotidiano
PRESIDENTE ELEITO

Bolsonaro diz que vetaria aumento salarial de ministros do STF se já fosse o presidente

O presidente eleito disse que o aumento salarial dos ministro dos STF "complicará os esforços do novo governo para resolver a questão do déficit fiscal" 10/11/2018 às 14:53
Show bolsonaro alterar elei  o a82cd56b 170c 4b9a 9898 065d2bba6678
O presidente eleito Jair Bolsonaro em ato de campanha em Brasília. (Foto: REUTERS/Adriano Machado)
Reuters São Paulo

O presidente eleito Jair Bolsonaro disse neste sábado que, se já estivesse no cargo, vetaria a proposta de aumento salarial dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), o que segundo ele complicará os esforços do novo governo para resolver a questão do déficit fiscal.

“Não tem outro caminho no meu entender, até pela questão de dar exemplo...Eu falei antes da votação que é inoportuno, o momento não é esse para discutir esse assunto”, afirmou ele em entrevista à emissora Record sobre a primeira semana dos trabalhos para transição de governo.

Na quarta-feira, os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) aprovaram o encaminhamento de uma proposta de reajuste de 16,38 por cento de seus salários ao Ministério do Planejamento, como parte do Orçamento 2019 da corte.

Se aprovada pelo Congresso Nacional, a medida implicará em um gasto adicional total de 4 bilhões de reais em 2019, a ser incorporado como despesa de pessoal, de execução obrigatória, conforme cálculos das consultorias de Orçamento da Câmara dos Deputados e do Senado.

“Se eu fosse o presidente, eu procuraria o presidente do Senado para que o projeto não entrasse em pauta. Já que entrou em pauta, se o governo Temer quiser, pela Lei de Responsabilidade Fiscal, ele pode vetar esse reajuste, que afinal de contas é da classe que mais ganha no Brasil”, disse Bolsonaro.

Na avaliação dele, o reajuste dos ministros dificulta as articulações para conduzir a tão aguardada reforma da previdência no país. “Complica para gente...Quando você fala em fazer reforma da previdência, quando você vai tirar alguma coisa dos mais pobres, aceitar um reajuste como esse”, acrescentou.

Bolsonaro ressaltou que sua equipe não considera reformar a previdência da forma proposta pelo governo Temer. Ele contou ainda que está analisando um pacote de medidas em tramitação no Congresso.

Questionado se alguma delas seria levada adiante pelo seu governo, o presidente eleito respondeu: “Se bancarmos propostas dessas e formos derrotados abre espaço para velha política vir para cima de nós... Não posso correr esse risco, tenho que começar o ano que vem com nossas propostas e tentar convencer deputados e senadores a votar de forma paulatina”, afirmou.

Publicidade
Publicidade