Publicidade
Cotidiano
Nasa

Brasileiro de 13 anos participa de programa internacional da Nasa

Foram cinco dias nos Estados Unidos, onde Guilherme Oliveira conheceu de perto os astronautas e cientistas da agência espacial norte-americana e aprendeu a programar um carrinho espacial que simulou andar pela superfície de Marte 25/10/2016 às 05:00
Show nasa
Mark Charles Lee ex-astronauta e Guilherme Oliveira
acritica.com

Astronautas, físicos, pesquisadores e líderes de empresas de tecnologia foram os mentores do adolescente Guilherme Saraiva Barbosa de Oliveira, de 13 anos, durante a primeira semana de outubro — a mesma em que o Furacão Matthew passou pela Flórida, onde ele estava. O garoto recebeu uma bolsa da empresa R-Crio, Centro de Tecnologia Celular especializado em armazenar as células-tronco da polpa do dente de leite, que tem sede em Campinas (SP), para participar da Jornada Internacional de Ciência e Tecnologia, nos Estados Unidos.  

O programa, que no país é liderado pela Câmara de Comércio Brasil-Flórida e pelo Kennedy Space Center International Academy (KSCIA), da NASA, tem como objetivo reunir e inspirar jovens do mundo inteiro interessados em seguir carreira em STEM — sigla em inglês que significa Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática. Durante a jornada, que teve duração de cinco dias, Guilherme aprendeu sobre robótica, física e engenharia, e pode ainda pode conhecer de perto a base de lançamento de foguetes da instituição, assim como ônibus espacial que já participou de uma missão espacial.

“Durante a Jornada pude fazer novos amigos do mundo todo e aprender mais sobre física e robótica com pesquisadores e cientistas. Apesar do curto tempo, coloquei em prática tudo que aprendi sobre programação, muito diferente das aulas que tenho na escola aqui no Brasil”, conta Guilherme.

 

Comprometida com o desenvolvimento científico, a R-Crio fechou um projeto-piloto com a KSCIA para patrocinar jovens brasileiros no programa, após o seu presidente e fundador, José Ricardo Muniz Ferreira, ser convidado para ministrar um workshop sobre células-tronco e o futuro da medicina regenerativa no Space Life Sciences Laboratory, um projeto da NASA com o Governo da Flórida. Um dos indicados pela R-Crio, Guilherme, que teve as suas células-tronco congeladas pela empresa, foi selecionado pela KSCIA, já que para participar da jornada são exigidas uma série de pré-requisitos, como excelentes notas em matemática e biologia, assim como fluência no inglês, mesmo com a pouca idade.

“Acreditamos que quanto mais cedo estimularmos o interesse dos jovens pela ciência e de uma forma diferenciada, melhores resultados podemos colher no futuro”, afirma Muniz Ferreira.

Aluno do 8º ano da Escola Americana de Campinas, Guilherme viajou aos Estados Unidos com mais sete jovens do Colégio Felix, localizado em São Bernardo do Campo (SP). Ao todo, neste ano, participaram da Jornada Internacional 30 jovens brasileiros, de escolas do estado de São Paulo e Vitória. “Além das aulas super dinâmicas, também realizei testes vocacionais e pude pensar um pouco mais sobre qual carreira seguirei no futuro”, lembra o garoto.  “Ainda não decidi o que farei, mas adorei estudar Física”.

*Com informações da assessoria de comunicação.

Publicidade
Publicidade