Segunda-feira, 15 de Julho de 2019
MUDANÇA

Brasileiros ensinam como se organizar para migrar para os Estados Unidos

Para começar uma atividade econômica nos Estados Unidos o primeiro passo é buscar uma consultoria. Profissionais dão dicas de como empreender no País com segurança



aviao_39A1B66C-0C9D-49BC-9465-DE54CF9FFF40.JPG Arte: Heli
30/12/2018 às 17:11

Qualidade de vida, diversidade cultural e economia de primeiro mundo: são fatores como esses que fazem dos EUA um dos destinos mais procurados pelos brasileiros quando o assunto é mudar de País e construir uma nova jornada no exterior. No entanto, atravessar o continente em busca do sonho americano exige um pouco mais do que o desejo de mudar de vida. Requer documentações, trâmites e uma série de procedimentos a serem rigorosamente seguidos. Além disso, a ajuda de profissionais especializados é indispensável para organizar a papelada.

O assessor imobiliário Pablo Farias mora na Flórida, nos Estados Unidos. Ele conta que antes de sair do Brasil com a esposa, há treze anos, não se programou como deveria, e isso pesou nos resultados. O brasiliense reforça que é necessário planejamento e hoje até possui um blog para dar dicas a quem deseja morar no exterior.

“Tudo começou quando eu e minha esposa passamos um ano nos EUA para aprender inglês e conhecer um pouco melhor outra cultura. Não fizemos planejamento para morar aqui. Simplesmente carregamos as malas e viemos para cá. Fomos aprendendo aos poucos. Passei por várias profissões, desde entregador de pizza a dono de gráfica. Hoje sou corretor de imóveis e junto com a venda de imóveis fiz um trabalho de auxiliar brasileiros a entenderem como funciona o processo de adaptação. O meu maior conselho é se planejar, porque sem o planejamento é tudo muito mais difícil”, comenta.

Empreender nos EUA

Não basta saber se comunicar em outra língua, mas esse é um grande passo. Quando se une a expertise do idioma ao desejo de fazer o negócio crescer e engordar o faturamento, visando crescimento pessoal e profissional, é preciso foco para fazer a ideia sair do papel e ganhar a realidade.

Foi exatamente o que fez a advogada e empresária Michele Moura. Sócia da empresa Twist Milk Shake, decidiu junto ao esposo internacionalizar a marca. Após um ano de planejamento, pesquisa e contato com especialistas em negócios no exterior, todos os trâmites legais foram feitos. Em abril de 2018 já estava funcionando a primeira loja da Twist MIlk Shake na cidade de Fort Lauderdale. Michele destaca os desafios de mudar de País e trabalhar com os negócios, dando dicas para os brasileiros que pretendem seguir pelo mesmo caminho.

“Se você quer fazer sucesso aqui você não pode estar engessado, é preciso ser flexível e entender que os hábitos dos americanos são diferentes dos brasileiros. Quem vem em busca de negócio, precisa analisar muito bem o tipo de negócio, tem de vários preços, mas a pessoa precisa ter em mente que além de ter que trazer dinheiro para pagar as despesas pessoais, também tem que vir preparado para correr o risco em ter que arcar com as despesas do negocio pelo menos no primeiro ano”, diz.

O visto EB-5, que existe desde 1990, abre o mercado norte-americano para investidores internacionais, mas demanda que os candidatos preencham requisitos como: aplicar U$S 500 mil, abrir uma empresa nova e que gere pelo menos 10 novos empregos. Esse empresário recebe o direito ao Green Card (residência fixa) e morar nos EUA por cinco anos. Após esse período é possível optar pela cidadania americana.

Carreira

Escrever o sucesso profissional em seu país de origem é desafiador. Porém, fazer isso em outro país, é ainda mais. Não foi à toa que o empresário e autor de best-sellers, Alexandre Slivnik, levou cerca de quatro anos se planejando antes de cruzar as fronteiras com a família. Desde 2015 morando oficialmente no exterior, atualmente desenvolve treinamentos ministra palestras em grandes empresas por meio do método Disney.

“Eu já fui de certa forma com um emprego garantido. Mas não fui para trabalhar em uma empresa americana, fui para trabalhar na minha empresa. Eu já atuava com treinamento nos EUA a partir da minha empresa. A única coisa que fiz foi mudar pra e continuar fomentando esses treinamentos para que pudesse aumentar o volume de trabalho.

Ajuda jurídica

O advogado especializado em Direito Internacional, Daniel Toledo, ressalta a importância de consultar um profissional para viabilizar a inserção do interessado na América.

“Antes de fazer as malas: além de ficar atento a moeda norte-americana e demais exigências do Governo, quem deseja se mudar de vez deve, em primeiro lugar, contar com a ajuda de um advogado ou especialista que irá estruturar o processo. Para que todas as etapas sejam bem-sucedidas, o solicitante deve ter empatia e confiança com esse profissional. Outro critério para escolher o profissional é verificar o currículo, principalmente quando se trata de implantação de negócios ligado a permanência em outro país. Depois da crise de 2008, a legislação americana buscou minimizar os riscos e as especulações de mercado, fazendo do lugar um enorme atrativo para aqueles que buscam investir com solidez e segurança. As possibilidades são inúmeras, tanto para aqueles que desejam investir em imóveis ou iniciar um novo negócio”.

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.