Terça-feira, 21 de Janeiro de 2020
Brincadeiras saudáveis

Brincar ajuda no ajuda no desenvolvimento motor e psíquico das crianças

Hábito de ‘se livrar’ dos filhos deixando-os entretidos com distrações tecnológicas, como tablets, é prejudicial



d47d11d6-e4c0-41e6-82a4-b949513d5e28.jpg Criançada fez a festa no complexo Ponta Negra, na Zona Oeste, durante o evento ‘Rua Encantada’. Fotos: Euzivaldo Queiroz
29/05/2017 às 05:00

Pular corda, amarelinha, corrida de sacos e manja-pega são algumas brincadeiras que fizeram parte da infância de milhares de pessoas, mas estão caindo no esquecimento ao longo dos anos após o advento tecnológico de celulares, tablets e jogos online. No dia mundial do “brincar”, comemorado neste domingo (28), a psicóloga Thais Tapajós chamou a atenção dos pais para a importância de brincadeiras tradicionais no desenvolvimento das crianças. 

De acordo com a psicóloga, em geral, pais colocam um aparelho eletrônico nas mãos das crianças para “se livrarem” da responsabilidade de dar atenção, de brincar e de participar do dia-a-dia da criançada. Atitude totalmente criticada pelos especialistas. “É aí que mora o perigo! A gente precisa chamar a atenção desse pai para estar alerta com esse filho. No dia-a-dia, é importante ter essa regularidade com o filho, brincar com ele, participar da rotina para não deixar a criança com sensação de abandono. Porque é aí que a criança está sendo construída para ser um cidadão de bem, um cidadão de paz, para fazermos uma sociedade melhor”, disse.



A psicóloga apontou o benefício que as brincadeiras tradicionais podem fazer na vida e no desenvolvimento das crianças. Segundo ela, brincadeiras como pular corda e amarelinha, por exemplo, promovem a integração das funções motoras e psíquicas em consequência da maturidade do sistema nervoso, além das múltiplas inteligências. “O brincar trabalha a psicomotricidade, trabalha as inteligências múltiplas. Então, a criança aprende brincando e vai levar esses benefícios para toda a vida”, disse.

 A especialista destacou que o ato do pai chamar o filho para brincar e reservar um horário no dia para essa atividade vai estimular e desenvolver, também, a criatividade dos pequenos. “Elas (crianças) precisam ter contato com brinquedos, tem que interagir com outras e aprender a dividir. Tem que participar de brincadeiras que ajudem a pensar, aprender e desenvolver a criatividade”, disse.

Comemoração

A criançada fez a festa na manhã deste domingo (28) na Ponta Negra, Zona Oeste de Manaus, durante o evento “Rua Encantada”, em alusão ao Dia Mundial do Brincar e à Semana Internacional do Brincar, comemorada de 20 a 31 de maio. O evento foi gratuito para crianças de todas as idades e contou com muitas brincadeiras de rua, pintura jogos e animação.

A pequena Julia França, de cinco anos, era uma das crianças mais animadas do evento. Ela fez questão de interagir e participar de todos os jogos. Segundo a mãe dela, a autônoma Luciana França, 33, as brincadeiras tradicionais fazem parte da rotina da criança.  Luciana disse que brinca diariamente com a filha.

O Dia Internacional do Brincar é comemorado em mais de 40 países do mundo e lembra que o brincar é um direito e uma alegria essencial para crianças e para pessoas de todas as idades, conforme o artigo 31º da Convenção sobre os Direitos da Criança das Nações Unidas. 
 


Mais de Acritica.com

20 Jan
trans_8C3DB8BB-BCF9-43E8-B068-3BED79D3DBF5.JPG

Mutirão retifica nomes e assegura identidade de travestis e transsexuais

20/01/2020 às 20:27

Como o procedimento feito diretamente no cartório não é tão simples (a lista de documentos exigidos é extensa) e nem sempre é barato (custa em média entre R$350 a R$ 400), a ação visa não somente facilitar a vida das pessoas transexuais que desejam alterar o nome e gênero de registro em sua documentação de nascimento, como também vai acompanhar e custear a certidão de tabelionato de protestos


Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.