Publicidade
Cotidiano
Notícias

Câmara de Iranduba decide se mantém ou arquiva processo de cassação de Xinaik amanhã (30)

Relatório prévio da comissão processante contém parecer a respeito da denúncia apresentada pelo Conselho de Cidadãos de Iranduba contra o prefeito Xinaik Medeiros acusado de fraudes em licitações e desvio de dinheiro público 29/12/2015 às 17:29
Show 1
Populares lavaram as escadas da Câmara de Iranduba no dia de criação da comissão processante
Aristide Furtado Manaus (AM)

A Câmara Municipal de Iranduba (a 25 quilômetros de Manaus) marcou para as 9h desta quarata-feira (30) uma sessão plenária extraordinária para decidir se dá prosseguimento ou arquiva o processo que pede a cassação do mandato do prefeito Xinaik Medeiros (PTB), que está preso no Batalhão de Policiamento Especial (BPE), em Manaus, desde o dia 10 de novembro por corrupção.

Na reunião, os vereadores irão votar o relatório prévio da comissão processante criada em novembro para analisar pedido apresentado pelo Conselho de Cidadãos do município. Com base nas denúncias de fraudes em licitação, lavagem de dinheiro, pagamento de propina e desvio de dinheiro público feitas pelo Ministério Público Estadual (MP-AM), na ‘operação Cauxi’, que desarticulou uma suposta organização criminosa que atuava na prefeitura de Iranduba, a ONG pediu a cassação de Xinaik Medeiros.

A comissão processante é composta pelos vereadores Raimundo Jarison Azevedo (PTB), Salim da Silva Lima (PTB) e Antônio  Muniz Viana (PP), presidente, membro e relator, respectivamente. “Eu não tenho tido muito contato com os demais vereadores. Mas está todo mundo muito ciente e  do papel que a Câmara tem que ter. Não posso emitir opinião antecipada. Porém, acho que mantém-se o processo pelos poucos com quem conversei. A tendência é essa. Preciso conhecer o teor do parecer da comissão”, disse o primeiro secretário da Câmara, vereador Ernandes, primeiro presidente da comissão processante que renunciou ao posto após ser flagrado pela imprensa descartando, no sorteio que definiu o colegiado, nomes de colegas.

De acordo com o MP-AM, Xinaik Medeiros e o ex-secretário municipal de Finanças, David Queiroz Felix comandavam uma organização criminosa que saqueou os cofres do município. Na denúncia apresentada contra os dois e mais 11 pessoas, entre servidores públicos e empresários, o MP-AM afirma que a sede da prefeitura  funcionava como uma espécie de “QG” para negociar  fraudes em licitações. Uma sala do prédio, que fica ao lado da Câmara de Vereadores e do Fórum de Justiça, era usada pelo secretário pelo grupo para acertar o pagamento de propinas e contratos superfaturados.

A estimativa do prejuízo ao município supera R$ 50 milhões entre os anos de 2013 a 2015. Xinaik foi denunciado por participação em organização criminosa, crime de responsabilidade, fraudes em licitações, e lavagem de dinheiro. David Queiroz responde por  organização criminosa, concussão, fraudes em licitação, lavagem de dinheiro e corrupção passiva.

Mensalinho

Segundo o MP-AM,  a maioria dos vereadores de Iranduba  recebiam um ‘mensalinho’ do prefeito Xinaik Medeiros. O presidente da Casa, Paulo Bandeira e os vereadores  Antônio Gerlande e Antônio Alves foram presos pela Polícia Federal na ‘Operação Dízimo’.

Antônio Maia, Vice-presidente do Conselho de Cidadãos

“A Câmara chamou essa extraordinária para votar o relatório prévio da comissão processante. Estão fazendo isso na surdina. Não querem que ninguém tome conhecimento. O conselho vai divulgar nas ruas de Iranduba a realização dessa reunião. Nosso objetivo principal é a defesa da cidadania de todos que residem e trabalham no município. Fomos nós que apresentamos o pedido de cassação e a defesa do prefeito disse que não temos prerrogativa para fazer isso que tinha que ser um eleitor”

Publicidade
Publicidade