Publicidade
Cotidiano
SAÚDE

Fundação faz campanha para ajudar criança de Barcelos com suspeita de raiva humana

Após a morte do irmão, de 17 anos, a menina Miriã, de apenas 10 anos, segue internada em estado de coma na FMT 29/11/2017 às 18:05 - Atualizado em 10/12/2017 às 09:35
Show capturar
Foto: Antonio Lima
Silane Souza Manaus (AM)

Abalados e preocupados. Assim estão os moradores da comunidade Tapira, no rio Unini, em Barcelos (distante 399 quilômetros de Manaus), onde residia o adolescente Lucas dos Santos da Silva, de 17 anos, que morreu no último dia 16, vítima de raiva humana. A angústia é ainda maior para os pais de Lucas, uma vez que, além do adolescente, a irmã dele, de 10 anos, segue internada e em coma na Fundação de Medicina Dr. Heitor Vieira Dourado (FMT-HVD), também sob suspeita da doença. 

Diante do cenário, a Fundação Vitória Amazônica (FVA) iniciou uma ação de sensibilização da população, por meio das redes sociais, para ajudar a família dos dois irmãos a se manter em Manaus, durante o tratamento da pequena Miriã dos Santos da Silva, 10.

O coordenador executivo da FVS, Fabiano Lopez da Silva, disse que a instituição desenvolve trabalho naquela região de Barcelos há mais de 25 anos e, diante do que aconteceu, colocou-se à disposição para prestar apoio. “A família não tem perspectiva de mudança. Ainda está com uma filha em coma, então a situação pode perdurar por algum tempo e, como a pessoa que vem do interior não tem apoio na cidade, nos mobilizamos para apoiar a permanência da família em Manaus”, afirmou. 

Os interessados em ajudar a família de Levi Castro da Silva e Débora Souza dos Santos, pais de Lucas e de Miriã que está em coma na FMT, pode efetuar depósito de qualquer valor no Banco Bradesco (número: 237, agência: 3741-9, conta corrente: 0002877-0, em nome de Débora Souza dos Santos, CPF: 988.716.172-15). 

O recurso arrecadado será utilizado pela família durante sua estadia em Manaus, para o acompanhamento de Miriã, juntamente com os outros dois filhos do casal, Tiago e Mateus, de 15 e 14 anos, respectivamente, que também estão na capital. “Eles também se comprometeram em ajudar outras famílias do rio Unini que porventura venham para Manaus com a suspeita da doença. Será muito importante essa ajuda”, disse Fabiano Lopez.  

Ações emergenciais

De acordo com a Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS), no último dia 19 e ao longo da semana passada, equipes de vigilância ambiental da instituição com experiência na prevenção e controle de eventos que envolvem morcegos chegaram à comunidade Tapira para diagnóstico situacional na área e ações de prevenção e juntaram-se a profissionais da Secretaria Municipal de Saúde de Novo Airão, em apoio a Barcelos. O jovem que foi a óbito e sua irmã foram atacados por morcegos.

O coordenador executivo da FVS ressaltou que a ação emergencial deve atender não apenas os moradores de Tapira, mas também de todas as dez comunidades localizadas no rio Unini. “Todas têm problemas de infestação de morcegos”, destacou. “Também é importante que essas ações emergenciais sejam feitas nas comunidades dos rios Jaú e Caurés, na mesma região, pois nesses três rios há relatos de aparecimento de muitos morcegos nos últimos dois, três anos”, evidenciou Fabiano.

Equipes de saúde em ações locais

A Secretaria Municipal de Saúde (Semsa/Barcelos) informou que, no último dia 18 enviou equipe de saúde composta por médico, enfermeiro, técnico de enfermagem, vacinadores e profissionais de zoonoses, para as comunidades do rio Unini, a fim de realizar atividades de assistência à saúde, ações educativas e de controle de zoonoses. 

Conforme a pasta, a equipe vem realizando atendimento individual a todos os moradores das comunidades do rio Unini, vacinação de cães e gatos e também sorovacinação profilática para raiva humana em todas as pessoas agredidas por animais. “Salientamos que estas ações de controle e prevenção da raiva humana são mantidas ao longo do ano”, informou, em nota. 

A Prefeitura Municipal de Barcelos informou que “não está medindo esforços” para garantir a realização de todas as ações necessárias ao cuidado e proteção dos moradores do rio Unini.

MPF vai investigar

O Ministério Público Federal do Amazonas (MPF-AM) informou que em breve será publicada portaria de instauração de apuração para averiguar a assistência dos órgãos públicos aos moradores das comunidades que apresentam infestação de morcegos. Tal inquérito tem prazo de um ano, após publicação formal da portaria, para conclusão, podendo o prazo ser prorrogado caso haja necessidade de aprofundamento da apuração.

Publicidade
Publicidade