Publicidade
Cotidiano
Na caça aos votos

Candidato tem que ser direto na comunicação com o eleitor, diz especialista

Redução do tempo e dos recursos financeiros na campanha exigirá dos candidatos a prefeito e vereador que sejam mais objetivos no contato com os eleitores e eleitoras 16/08/2016 às 05:00
Show afranio soares
Aristide Furtado Manaus

Com a redução de 90 para 47 dias, a campanha eleitoral relâmpago que inicia hoje exigirá dos candidatos e candidatas objetividade na comunicação com o eleitorado. “O candidato terá que ser direto. O público tem que entender rapidamente qual é a sua proposta, porque está se propondo a concorrer, qual suas vantagens competitivas em relação aos adversários. Não dá tempo de deixar isso subentendido”, afirmou o especialista em marketing e presidente da Action Pesquisas, Afrânio Soares.

Por conta da minirreforma eleitoral, aprovada no ano passado, os candidatos não perderam só tempo de divulgação dos seus nomes. Estreitaram-se também os espaços e as peças publicitárias de campanha.  Não pode mais pintar muros. Nem colocar placas de quatro metros quadrados como no pleito de 2014. Agora só é permitido a colocação em bens particulares de  adesivo ou papel que não exceda a meio metro quadrado. E esses “cartazes” não  podem ser afixados lado a lado em grande quantidade para não passar a ideia visual de outdoors.

Popular nas disputas eleitorais em Manaus, o “bonecos” de candidatos foram vetados.  Também estão proibidos as pichação, inscrição a tinta e fixação de placas, estandartes, faixas, cavaletes, bonecos e assemelhados nos bens cujo uso dependa de  permissão do poder público, ou que a ele pertençam, e nos de uso comum, inclusive postes de iluminação pública e sinalização de tráfego, viadutos, passarelas, pontes, paradas de ônibus e outros equipamentos urbanos.

A  partir de hoje, os candidatos a prefeito e vereador podem realizar comícios das 8h às 24h, caminhadas, distribuição de santinhos e panfletos. Podem ainda promover  carreatas, passeatas e divulgar suas propostas e candidatura por meio de carro de som e jingles. Essa propaganda “volante” pode ser feita em qualquer veículo, motorizado ou não, ou  tracionado por animais. Na propaganda eleitoral, podem ser utilizados “bicicletas de som”, “motos de som”, “carroças de som” e “baratinhas”.

Quem pediu registro à Justiça Eleitoral pode ainda pedir explicitamente votos por meio da internet, em site do candidato ou partido, e  nas redes sociais. Só não pode, no ambiente virtual, a propaganda paga. “Nessas eleições as redes sociais  serão bem mais utilizadas. Os candidatos vão divulgar ao vivo o contato com os eleitores, a preparação para os debates, a repercussão dos debate”, disse Afrânio Soares.

Afrânio Soares
Presidente da Action Pesquisas

“O contato  direto com o eleitor, o popular corpo a corpo,    ajuda na humanização do candidato. Mas a campanha não se resume a isso. Só esse recurso não basta. A caminhada ajuda mais se for um candidato de uma determinada comunidade. Os candidatos vão ter que aprender com esse novo formato de campanha. Ter menos tempo vai ser um gargalo interessantíssimo.  O time é diferente. Se for  responder a um adversário, tem que fazer isso logo. Se quiser mostrar força nos debates,  tem que mostrar de imediato. A campanha deste ano terá  uma divulgação menos robusta, usando muito mais as redes sociais e será  um laboratório para  2018”.

Horário gratuito

Os candidatos e candidatas podem ir pra rua pedir votos hoje mas a propaganda gratuita no rádio e televisão só começará no dia 26 deste mês. Serão dois blocos de dez minutos cada, duas vezes por dia, de segunda a sábado, no caso de campanha para prefeito, uma vez que a Lei nº 13.165/2015 acabou com a propaganda eleitoral em bloco para vereador.

No rádio, a propaganda será transmitida das 7h às 7h10 e das 12h às 12h10. Na televisão, os candidatos vão se apresentar das 13h às 13h10 e das 20h30 às 20h40. Já as inserções serão veiculadas em tempos de 30 e 60 segundos para prefeito e vereador, de segunda a domingo, em um total de 70 minutos diários, distribuídos ao longo da programação entre 5h e 00h. A divisão deverá obedecer a proporção de 60% para prefeito e 40% para vereador.

Contará com mais tempo de propaganda no rádio e TV o partido ou coligação que tiver mais deputados federais.

 

Publicidade
Publicidade