Publicidade
Cotidiano
Notícias

Candidatos ao Governo do AM recorrem à Justiça para retirar propagandas ofensivas da TV

Às vésperas do segundo turno das eleições de 2014, ambos os candidatos ao Governo do AM, José Melo e Eduardo Braga, ingressaram com representações no TRE-AM para que propagandas ofensivas sejam retiradas do ar 22/10/2014 às 08:58
Show 1
Eduardo Braga, senador e ex-governador e José Melo, candidato à reeleição
Jornal A Crítica Manaus-AM

As coligações de José Melo (Pros) e Eduardo Braga (PMDB) ingressaram com representações no Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE-AM) para a retirada da propaganda ofensiva de ambos candidatos ao Governo do Estado.

Pelo lado de José Melo, representado pela coligação “Fazendo Mais por Nossa Gente”, a assessoria jurídica entrou com uma ação para inibir a veiculação do áudio em que o ex-subsecretário adjunto de Justiça e Direitos Humanos (Sejus), major da Polícia Militar, Carliomar Barros Brandão, aparece em uma suposta conversa com o traficante José Roberto Fernandes Barbosa, conhecido como “Zé Roberto”, líder da facção Família do Norte, negociando o apoio das facções criminosas a José Melo, no segundo turno das eleições.

De acordo com o advogado de Melo, José Fernandes, a representação imposta pela coligação reitera a linha de campanha proposta pela Justiça Eleitoral. “O tribunal pede que as propagandas eleitorais na TV e rádio sejam usadas para a apresentação de propostas e não para difamar a honra do candidato e muito menos apresentar informações inverídicas”, disse o advogado. A coligação solicita ainda direito de resposta.

Em contrapartida, a coligação “Renovação e Experiência”, de Eduardo Braga, ingressou com uma interpelação criminal na Justiça para que o ex-subsecretário explique a informação de que ele teria recebido oferta de suborno. “Ele (Carliomar) tem que explicar à Justiça e confirmar se houve ou não oferta de suborno e da parte de quem”, disse o advogado Daniel Nogueira, ressaltando que, a partir da decisão da Justiça, a coligação ingressará com ação criminal por calúnia.

Publicidade
Publicidade