Publicidade
Cotidiano
POLÍTICA

Candidatos prestam apoio a Bolsonaro após atentado em Juiz de Fora

Candidato do PSL foi esfaqueado durante ato de campanha em Juiz de Fora, em Minas Gerais. Suspeito foi preso pela PM 06/09/2018 às 16:03 - Atualizado em 06/09/2018 às 16:10
Show bolronaro 05810e4f 58cf 4def ae5c 7e505bf47689
Foto: Reprodução
acritica.com Manaus (AM)

Candidatos prestaram apoio ao presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) após um atentado na cidade de Juiz de Fora, em Minas Gerais, onde ele fazia ato de campanha. Segundo a Polícia Militar, o candidato foi esfaqueado por um homem identificado Adélio Bispo de Oliveira, de 40 anos.

Nas redes sociais, os candidatos João Amoêdo (Novo), Ciro Gomes (PDT) e Guilherme Boulos (PSOL) se solidarizaram após o atentado. O agressor foi preso pela PM. De acordo com um dos filhos de Bolsonaro, o deputado Flávio Bolsonaro, o corte foi superficial e o candidato passa bem.

João Amoêdo se pronunciou no Twitter após o caso. “É lamentável e inaceitável o que aconteceu com Jair Bolsonaro. Independentemente de divergências políticas, não é possível aceitar nenhum ato de violência. Que o agressor sofra as devidas punições. Meus votos de melhoras para o candidato”.

Ciro Gomes também falou sobre o atentado contra o adversário. “Acabo de ser informado em Caruaru, Pernambuco, onde estou, que o Deputado Jair Bolsonaro sofreu um ferimento a faca. Repudio a violência como linguagem política, solidarizo-me com meu opositor e exijo que as autoridades identifiquem e punam o ou os responsáveis por esta barbárie”, declarou.

O candidato do PSOL, Guilherme Boulos, cobrou investigação sobre o fato. “Soube agora do que ocorreu com Bolsonaro em Minas. A violência não se justifica, não pode tomar o lugar do debate político. Repudiamos toda e qualquer ação de ódio e cobramos investigação sobre o fato”.

A candidata Marina Silva, da Rede, disse que o ato é um atentado contra a democracia. "A violência contra o candidato Jair Bolsonaro é inadmissível e configura um duplo atentado: contra sua integridade física e contra a democracia. Neste momento difícil que atravessa o nosso país, é preciso zelar com rigor pela defesa da vida humana e pela defesa da vida democrática e institucional do nosso país. Este atentado deve ser investigado e punido com todo rigor". 

O petista Fernando Haddad disse que repudia o ato. "Repudio totalmente qualquer ato de violência e desejo pronto restabelecimento a Jair Bolsonaro". 

O tucano Geraldo Alckmin declarou que qualquer ato de violência é deplorável. "Política se faz com diálogo e convencimento, jamais com ódio. Qualquer ato de violência é deplorável. Esperamos que a investigação sobre o ataque ao deputado Jair Bolsonaro seja rápida, e a punição, exemplar". 

Publicidade
Publicidade