Publicidade
Cotidiano
ALERTA MÉDICO

Cardiologista alerta sobre os riscos de morte súbita em jovens que frequentam academias

De acordo com Dr. Bernardo Medeiros, a consulta cardiológica deve ser inserida na vida dos pacientes mesmo os que não irão iniciar uma rotina de atividades físicas 02/06/2018 às 16:02 - Atualizado em 03/06/2018 às 07:45
Show vida0403 1r
(Foto: Divulgação)
Alexandre Pequeno Manaus (AM)

Uma parada cardiorrespiratória foi a causa da morte da jovem Cynthia Raposo, aos 24 anos, em uma academia na cidade Porto Nacional 60 km distante da capital Palmas (Tocantins). Notícias inesperadas como esta chamam a atenção da comunidade médica sobre um fato mais comum do que se imagina: a morte súbita cardíaca. Em Manaus, o cardiologista Dr. Bernardo Medeiros têm se esforçado para conscientizar a população sobre o mal cada vez mais frequente no país.

De acordo com Bernardo, a consulta cardiológica deve ser inserida na vida dos pacientes mesmo os que não irão iniciar uma rotina de atividades físicas. "Temos visto cada vez mais a incidência de morte súbita entre jovens e, muitas vezes são silenciosas, sem sintoma algum. Uma consulta cardiológica simples, através de um eletrocardiograma, por exemplo, conseguimos verificar a incidência de boa parte dessas doenças. Todos os indivíduos que vão ser submetidos à atividade física, devem fazer uma avaliação, bem como os que não irão ser submetidos", defende. "A consulta cardiológica deve ser incentivada", complementa.

Sobre a morte da jovem na academia, o especialista explica que uma consulta cardiológica prévia, poderia ter alertado sobre possíveis doenças que ela poderia ter. "Essa morte súbita é como um curto circuito elétrico. Algumas doenças que causam esse curto circuito são assintomáticas e o diagnóstico é feito só no momento da morte", afirma.

Alerta para Manaus
De acordo com o especialista, alguns dados mundiais e nacionais apontam para uma conclusão alarmante para a capital amazonense. "Deve-se esperar duas mortes a cada três dias em Manaus em indivíduos jovens sem histórico de doença cardíaca nenhuma. Ao todo, deve-se esperar, duas mortes súbitas cardíacas por dia. É um dado importante", alerta.

Outro alerta que o cardiologista faz é em relação a utilização de desfibriladores nas academias na capital. "O principal mecanismo de morte é a arritmia cardíaca, o que faz diferença entre o indivíduo viver e morrer é ter o desfibrilador às mãos. Já existem algumas legislações que obrigam locais com grande concentração de pessoas a terem esse aparelho. Tenho feito capacitação em Manaus, mas nem todas as academias possuem", diz.

Outros fatores
Além das atividades, outros excessos ainda podem causar a morte súbida também. De acordo com o cardiologista e médico do esporte do HCor (Hospital do Coração), Dr. Nabil Ghorayeb, não é incomum, em locais de grandes festas e shows a ocorrência de arritmias cardíacas por conta de atitudes como o consumo exagerado de bebidas alcóolicas, cigarro, drogas e energéticos.
“A moderação e o equilíbrio são fatores importantes na prevenção de arritmias. Todos os excessos trazem malefícios, especialmente em indivíduos portadores de doenças cardíacas, os quais podem desenvolver complicações e evoluir para morte súbita. Essas situações poderiam ser evitadas por meio de informação, prevenção e bom senso”, aconselha Dr. Ghorayeb.

Publicidade
Publicidade