Publicidade
Cotidiano
CRIME CIBERNÉTICO

Casal é indiciado por criar perfis falsos para caluniar vereadora de Parintins

Um dos autores das postagens no Facebook é a ex-esposa do pai da vereadora Vanessa Gonçalves (Pros), que foi atacada. Somada, a pena pelos crimes de difamação, injúria e falsa identidade pode chegar a 2 anos e seis meses 19/07/2018 às 21:28 - Atualizado em 20/07/2018 às 01:02
Show vanessa goncalves
Foto: Reprodução/Internet
Vitor Gavirati Manaus (AM)

A Polícia Civil indiciou por difamação, injúria e falsa identidade duas pessoas identificadas como responsáveis pela administração de dois perfis falsos na rede social Facebook que caluniavam empresários e políticos do município de Parintins (a 369 km de Manaus). Entre as vítimas estão familiares e a vereadora Vanessa Gonçalves (Pros), a ex-primeira-dama do município Michele Valadares e o diretor do campus local da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), David Xavier.

De acordo com o relatório do inquérito, que foi emitido nesta semana, Cleumara Monte Verde Bentes e Valber dos Santos Costa administravam os perfis “Tainá Xavier Melo” e “Carlito Gonçalves”, onde eram publicados os ataques. Cleumara é ex-esposa do pai da vereadora Vanessa, o ex-prefeito de Parintins Enéas Gonçalves, e é a atual companheira de Valber.

O relatório do delegado Gesson de Sousa, titular da Delegacia Interativa, que atua nos casos de crimes cibernéticos no Amazonas, dá detalhes sobre como os nomes dos donos dos perfis foram descobertos.

“(...) identificadas as URLs dos perfis das redes sociais utilizados pelos autores, foi possível representar pela Quebra de Sigilo de Dados Telemáticos tendo como objetivo os dados cadastrais e logs de registro (IP, data, hora e fuso horário) dos últimos 10 acessos dos perfis”, explica o delegado em trecho do documento.

Após a quebra de sigilo, a Polícia Civil identificou que a provedora de conexão e telefonia utilizada para o acesso dos perfis foi a Vivo, que foi oficiada para a identificação dos administradores.

Dois dos IPs de acesso do perfil “Carlito Gonçalves” tinham relacionado o número de telefone que foi confirmado por Cleumara, em interrogatório, como sendo dela. Os IPs identificados pela Vivo também foram relacionados com números de telefones registrados em nome de Valber.

“É de grande importância mencionar que o número (92) 993XX-XX80 está relacionado ao IP de registro do perfil ‘Tainá Xavier Melo’, e o número (92) 991XX-XX43 está relacionado ao IP de registro do perfil ‘Carlito Gonçalves’, colocando o Sr. Valver como responsável da criação de ambos os perfis”, aponta outro trecho do relatório do inquérito.

Ataques à vereadora

Segundo a vereadora Vanessa Gonçalves, os primeiros ataques dos perfis, entre maio e junho de 2017, foram direcionados aos seus familiares. Em postagens, um irmão da parlamentar foi chamado de pedófilo e outro foi apontado como tendo sido flagrado dirigindo embriagado em uma blitz de trânsito. Com o passar do tempo as publicações foram direcionadas a Vanessa.

“Começaram a me falar coisas terríveis, me chamaram de ‘rainha da propina’, falaram muitas besteiras e me ameaçaram de morte. Falaram que iriam acabar com a minha vida como fizeram com a Mariele (vereadora assassinada no Rio de Janeiro)”, contou a vereadora.

A vereadora Vanessa Gonçalves revelou que ficou abalada com a revelação da identidade dos autores dos gerenciadores dos perfis falsos, mas comemorou a conclusão do inquérito.

“Eu queria descobrir quem eram os fakes. Me doeu bastante, mas fico contente porque muitas pessoas de Parintins que foram atingidas estão entrando com processo e eu vou poder ajudar elas de alguma forma. Eu faço um alerta: existe delegacia para isso no Amazonas,  hoje temos como descobrir os fakes e as fake news”, comenta.

Na Justiça

Com a conclusão do inquérito, o caso vai para a Justiça Estadual. Somadas as penas máximas para os crimes previstos nos artigos 139, 140 e 307 do Código Penal Brasileiro, pelos quais foram indiciados, Cleumara e Valber podem ser presos por até 2 anos e seis meses.

Outras quatro pessoas ainda serão ouvidas no caso, mas não foram indiciadas. São elas: Claudete dos Santos Costa, Vera Lúcia Maria da Silva, José Ailton Miranda e Maria Poliana da Costa Ribeiro.

A vereadora Vanessa ainda promete entrar com processos por danos morais contra os autores dos perfis.

A reportagem tentou entrar em contato com Cleumara e Valdo por meio do telefone (92) 992xx-xx24, mas não obteve sucesso.

Publicidade
Publicidade