Publicidade
Cotidiano
Notícias

Casal preso com cartões do ‘Bolsa família’ em Eirunepé deixa prisão sob fiança

Eles são suspeitos de se apropriarem indevidamente de cartões de clientes para realizar saques irregulares 02/11/2015 às 14:06
Show 1
Os suspeitos enganavam os beneficiários do Bolsa Família e faziam saques
kelly melo ---

Após 43 dias preso por furto qualificado e apropriação indébita, o empresário José Arnaldo Martins da Silva, 43, irmão do vice-prefeito de Eirunepé (a 1.160 quilômetros de Manaus) pagou uma fiança de R$ 78,8 mil para ser posto em liberdade, na última quinta-feira (29).

Ele e a esposa, Raimunda Nonata de Oliveira Lopes, 44, que são acusados pelo mesmo crime, pagaram aproximadamente R$ 160 mil para voltarem às ruas de Eirunepé.

Em setembro, o casal e outros dois funcionários foram presos pelas polícias Civil e Militar, acusados de se apropriarem indevidamente de cartões magnéticos de clientes, a maioria deles indígenas, para realizar saques irregulares. Com eles, a polícia encontrou 480 cartões do programa Bolsa Família e cardenetas com anotações dos “devedores”. A maioria das vítimas eram indígenas.

De acordo com o processo que tramita na 4ª Vara Federal, o empresário teve o alvará de soltura deferido porque o juízo entendeu que assim como o arbitramento de fiança foi aplicado aos outros presos à época, poderia ser concedido a José Arnaldo. No mês passado, a mulher de Arnaldo também pagou fiança de R$ 78,8 mil para ser posta em liberdade, após ficar 20 e três dias presa na carceragem da delegacia do município.

Processo

Outro ponto destacado pela Justiça Federal para a concessão de liberdade ao empresário é que os serviços bancários da Caixa Econômica Federal (CEF) prestados por eles no município foi rompido após a descoberta da organização criminosa.

“Se o paciente não é mais titular desta concessão, de prestação de serviço bancário, que abrange o pagamento de benefícios dos programas sociais do Governo e, que era um instrumento para a prática criminosa atribuída ao empresário, por certo a revogação da prisão se tornará muito mais difícil”, afirma o juiz federal George Ribeiro da Silva, relator do processo.

Obrigações

Depois do pagamento da fiança, equivalente a 100 salários mínimos, o empresário Arnaldo Martins foi posto em liberdade, no entanto deverá comparecer mensalmente ao Juízo e justificar suas atividades, além de ter que comunicar mudança de endereço. Se ele descumprir a decisão judicial, pode ser preso novamente.


Publicidade
Publicidade