Publicidade
Cotidiano
na justiça

Caso de canoeiro que jogou filho no rio pode ter reviravolta surpreendente, diz juíza

Juíza Mirza Telma afirma que o processo que investiga a morte do bebê Pablo Pietro, ocorrida em setembro de 2015, ainda vai surpreender muita gente 14/04/2016 às 10:04 - Atualizado em 14/04/2016 às 10:05
Show canoeiro
Josias estava preso desde setembro de 2015 (Foto: Arquivo AC/Antônio Lima)
acritica.com Manaus (AM)

O canoeiro Josias de Oliveira Alves, preso desde setembro de 2015 pela acusação de ter jogado no rio Negro o próprio filho, o bebê Pablo Pietro, de apenas quatro meses de vida, na época, está em liberdade pela juíza da 1ª Vara do Tribunal do Júri, Mirza Telma de Oliveira. “Eu concedi a liberdade de Josias por excesso de prazo e porque a liberdade dele não representa nenhum risco á sociedade”, disse a magistrada.

Mirza Telma não quis comentar sobre o processo do qual Josias é réu, alegando que encontra-se em segredo de Justiça, mas revelou que o caso ainda pode ter uma reviravolta e surpreender muita gente.  Ela disse que o processo está sob análise do Ministério Público Estadual e já está marcada para o próximo mês de maio a audiência de instrução e julgamento.

Josias foi preso depois que confessou ter jogado o filho no rio após uma discussão com a ex-companheira, Cleudes Maria Batista de Moraes. Por motivos de segurança, Josias ficou preso no Comando de Policiamento da Especial (CPE), no conjunto D. Pedro II, Zona Centro-Oeste. De acordo com o comandante da unidade militar, Cleitman Coelho, durante o tempo que permaneceu ali sempre teve um bom comportamento.

De acordo com a denúncia apresentada pelo Ministério Público Estadual, o bebê de quatro meses foi arremessado de um barco no rio Negro na noite do dia 14 de agosto do ano passado, perto do porto do São Raimundo, Zona Oeste. O pai teria discutido com Cleudes Maria e jogou a criança. Cleudes disse que quase foi enforcada, mas fugiu nadando

Publicidade
Publicidade