Publicidade
Cotidiano
páscoa

Católicos celebram a ressurreição de Jesus Cristo após 40 dias de intensa preparação

A comunidade católica celebra hoje a missa da ressurreição de Jesus. A maioria das comunidades realizam as celebrações nos horários comuns da missa do dia de domingo, tanto no período da manhã como também no horário da noite 28/03/2016 às 18:01 - Atualizado em 30/03/2016 às 15:46
Isabelle Valois

Após os 40 dias da Quaresma - tempo de jejum, penitência e caridade, como preparo para a ressurreição de Jesus Cristo - os cristãos vivenciaram, desde o último domingo - conhecido como Domingo de Ramos - a semana Santa. Em que foi relembrado todo o trajeto do Messias desde a entrada em Jerusalém, o Lava-Pés dos discípulos com a ceia da partilha do pão, a morte e, neste domingo, a ressurreição.

A comunidade católica celebra hoje a missa da ressurreição de Jesus. A maioria das comunidades realizam as celebrações nos horários comuns da missa do dia de domingo, tanto no período da manhã como também no horário da noite.

No caso da Catedral Metropolitana de Manaus, a igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição, a primeira celebração acontece nos horários das 7h30 presidida pelo arcebispo de Manaus, dom Sérgio Castriani, também no horários das 10h e 18h. Nas outras duas, a celebração é presidida pelo assessor da arquidiocese, padre Charles Cunha.

Dom Sérgio explicou que uma das celebrações mais importante é a vigília pascal, que é a primeira celebração após a ressurreição de Jesus. Nesta celebração, é abençoado o fogo novo, os católicos fazem as renovações das promessas do batismo, há a benção da água e em algumas igrejas, como é o caso na catedral, ocorre a celebração dos sacramentos como o batismo e também do Crisma (confirmação). “Esta celebração, todo católico deve participar”, reforçou o arcebispo.

No domingo de páscoa, na procissão de entrada leva-se um dos principais símbolos da Páscoa, que é o Círio Pascal. Este representa o fogo novo, a vida nova, após a ressurreição. No círio, há alguns símbolos importantes demarcado, como a cruz para relembrar de Jesus Cristo na morte e ressurreição, os símbolos Alfa e Ômega, que representa o princípio e fim, por último, o ano que destina o hoje e sempre.

“Durante cinquenta dias, o círio fica aceso durante todas as celebrações e é apagado no dia de Pentecostes. É importante reforçar que na Páscoa as pessoas realmente vivam em família, relembre dos ensinamentos de Jesus e viva a ressurreição. Vale lembrar que não há registro histórico de outra pessoa que tenha ressucitado, e Jesus ressuscitou não foi reencarnação, há comprovação disso nos livros”, reforçou.

Protestantes evangélicos celebram o memorial da ressurreição de Cristo

Para os protestantes evangélicos, o domingo de Páscoa também tem o significado, ou melhor, a lembrança do sofrimento de Jesus na morte e por fim a ressurreição para a salvação de toda a humanidade. Conforme o pastor titular da igreja Presbiteriana de Manaus, José João Mesquita, os protestantes não seguem a semana Santa.

“Não temos o costume de excluir a carne vermelha na sexta-feira. Para nós, a sexta-feira é como qualquer dia da semana. Na antiga páscoa, os hebreus mandavam carneiros e faziam churrasco para comemorar. A Páscoa nos lembra também o dia da libertação do povo do Egito, onde era necessário passar o sangue do cordeiro nas portas das casas para o livramento da morte. E para nossa salvação, veio Jesus, celebramos o memorial da ressurreição, do cordeiro que nos libertou do pecado mortal”, disse Mesquita.

O pastor contou que para marcar este dia, há 40 anos a Igreja Presbiteriana realiza o espetáculo Paixão e Morte de Jesus. O evento começou na terceira semana de março e nesta semana ocorreu na quinta, sexta, sábado e termina neste domingo, às 19h30, no espaço Pedras Vivas, na avenida Pedro Teixeira, 2650, ao lado do Baiano, Dom Pedro, Zona Centro-Oeste. Os portões do espaço abrem 18h com a recepção de uma cidade cenográfica. Como entrada a coordenação pede um quilo de alimento não perecível.

Publicidade
Publicidade