Sábado, 27 de Novembro de 2021
Jogos

Centrão e Bancada Evangélica na guerra pela legalização dos jogos no Brasil

Arthur Lira (Progressistas-AL), tentou formar um grupo de trabalho para que o tema voltasse a ser discutido



WhatsApp_Image_2021-10-20_at_14.42.34_5236ADFE-1756-44BF-80A6-3C66F4A0AE0B.jpeg Foto: Divulgação
20/10/2021 às 15:16

Quando foram proibidos no Brasil, em 1946, pelo então presidente Eurico Gaspar Dutra, os cassinos deixaram de existir legalmente por aqui devido a dogmas religiosos, pois o próprio governante afirmou em seu pronunciamento que, tais atividades não condizem com a "tradição moral, jurídica e religiosa", além de serem "nocivos à moral e aos bons costumes".

Desde então, a volta do cassino e a sua regulamentação tem sido apontada por muitos como uma solução para a crise econômica no Brasil e o entrave nunca esteve tão acalorado devido ao fator que, segundo alguns especialistas, o Brasil deve enfrentar a maior crise econômica da sua história.

Atualmente, um dos principais líderes da frente parlamentar apontada como Centrão, por não possuir predileção entre os partidos de esquerda e de direita, o presidente da Câmara, Arthur Lira (Progressistas-AL), tentou novamente formar um grupo de trabalho para que o tema voltasse a ser discutido, contando com nomes como o deputado Felipe Carreras (PSB-PE) como relator.

Para Carreras, ainda que a discussão seja ampla e envolva questões culturais como o jogo do bicho, o atual foco é pensar na regulamentação dos cassinos integrados à resorts: "Tem instrumento de fiscalizar e arrecadar. Qual a consequência disso? Gerar emprego formal. Quando traz (para o Brasil) os grandes cassinos integrados de resorts do mundo, você tem um produto turístico. A Espanha, França, Itália, Alemanha, Portugal, Reino Unido, Canadá, México têm (cassinos)", afirma o relator.

No entanto, a bancada evangélica, nomeada assim por suas convicções baseadas somente em seus dogmas religiosos, já demonstra uma posição totalmente contrária a aprovação dos jogos, ao menos é o que aponta o deputado Marco Feliciano (Republicanos-SP), pastor evangélico: "Minha posição contrária à legalização dos jogos de azar continua a mesma, sou visceralmente contra, e por se tratar de princípios, não mudará jamais", afirma o religioso.

Em meio a este entrave, o governo e pessoas mais próximas ao presidente Jair Bolsonaro permanecem divididos em dois grupos, onde, aparentemente, os ministros da Economia, Paulo Guedes, e da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, não entram em acordo sobre o tema. Visto que, como Damares, que é evangélica, vê tal regulamentação como: "Pacto com o diabo!", Guedes responde enfaticamente tentando convencê-la ao contrário, como ocorreu na reunião ministerial de 22 de abril de 2020.

Atualmente, aos apostadores brasileiros interessados em realizar apostas e se divertirem com o entretenimento proporcionado pelos jogos, só resta recorrer ao cassino online, sempre com muito cuidado e avaliação para não se surpreender negativamente, se valendo se opções de plataformas confiáveis e que realmente pagam.

É importante salientar que utilizar os cassinos online não representa nenhuma contravenção, tendo em vista que as empresas são devidamente regulamentadas e auditadas nos países onde estão estabelecidas fisicamente. Aos apostadores que obtiverem lucros significativos de forma recorrente, só não devem se esquecer de declarar tal rendimento para o devido recolhimento do Imposto de Renda.

No mais, só nos resta esperar que o entrave político e dogmas religiosos, ainda que sejam importantes, não estejam na frente de uma solução para uma crise econômica sem precedentes na história do Brasil, onde, por fim, quem paga a conta é a população que sofre com desemprego e falta de soluções efetivas.



News portal1 841523c7 f273 4620 9850 2a115840b1c3
Jornalismo com credibilidade

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.