Domingo, 20 de Junho de 2021
Cheia histórica

Cheia histórica: medição amadora reafirma que nível do rio poderá chegar a 30,05 metros

Na medição feita pelo projetista Erasmo Amazonas, a cota do rio Negro já chegou à cota de 30 metros este ano



e3a16a2b-6f91-47ca-9f2b-5db75ac269a2_D1A375A4-2DE4-4F19-AA23-3C32B7B1F82C.jpg Foto: Arlesson Sicsú
03/06/2021 às 18:42

A medição amadora que o ex-deputado estadual e projetista de arquitetura Erasmo Amazonas mantém já marcou os 30 metros de cheia. A constatação foi confirmada pela equipe de reportagem na manhã de quinta-feira (3) em visita à casa do projetista. Ele mantém a previsão, que fez ao A CRÍTICA em abril, de que o rio poderá chegar a 30,05 metros.

Em abril, Erasmo relatou ao A CRÍTICA que o nível das águas estava subindo seis centímetros por dia. Hoje, esse número desceu para um centímetro, segundo ele. Do segundo andar da casa onde mora – situada no bairro Educandos, na Zona Sul de Manaus – o ex-deputado estadual afirmou que espera que os poderes municipal, estadual e federal realizem uma ação conjunta de contenção antecipada dos danos provocados pela cheia. “Falo de projetos para evitar esse desastre futuro”, disse.

Na última segunda-feira (31), o Serviço Geológico do Brasil (SGB-CPRM) transmitiu o terceiro e último Alerta de Cheias de Manaus para 2021 em uma live. Conforme informado no site da instituição, o pico da cheia em Manaus deve se manter próximo aos 30,00m.

Ainda conforme o site da instituição, a pesquisadora do SGB-CPRM Luna Gripp informou que há grande probabilidade de que o fenômeno de inundação em 2021 esteja chegando ao fim. Porém, mesmo com os rios estabilizados, a redução dos níveis é lenta e gradual, ainda de acordo com Gripp.

Embelezamento manauara

Erasmo lamentou o estado de poluição dos rios e afirmou que tem a intenção de oferecer ajuda técnica ao prefeito David Almeida e governador Wilson Lima no tocante ao embelezamento do porto de Manaus e despoluição dos rios que perpassam o local.

“Nós temos a orla fluvial mais feia do mundo. Nem cidades africanas miseráveis possuem uma tão degradante e feia como Manaus. Parece que pegaram o que há de mais feio e degradante e colocaram na frente da cidade”, disse.

O projetista afirmou, ainda, que vê a cheia histórica de 2021 como uma oportunidade para que o poder executivo municipal e estadual ajam em conjunto. “Essa cheia serve como estopim para que os dois se unam para elaborar um comitê de bacia com o intuito de ordenar a ocupação da bacia e elaborar um projeto de revitalização da orla. No momento em que a sujeira e tudo que é degradante for retirado, a própria natureza se encarregará de reconstituir-se”.




Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.