Publicidade
Cotidiano
SAÚDE

Chikungunya poderá ter nova epidemia nos próximos dois anos, alertam pesquisadores

Os estudos mostram que o máximo de ocorrência da chikungunya ainda está por ocorrer. As áreas mais afetadas seriam o Nordeste e a faixa litorânea da região Sudeste 07/06/2018 às 08:42 - Atualizado em 07/06/2018 às 11:31
Show mosquito 848484
(Foto: Reprodução Internet)
José Tadeu Arantes - Agência FAPESP

Um importante surto de chikungunya poderá ocorrer no Brasil ao longo dos próximos dois anos, com as áreas mais afetadas sendo o Nordeste e a faixa litorânea na região Sudeste.

A previsão foi feita na terceira edição do programa de TV Ciência Aberta, no dia 5 de junho, por Maurício Lacerda Nogueira, presidente da Sociedade Brasileira de Virologia, e corroborada por estudo preditivo realizado na Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo em parceria com o Instituto Butantan. 

O programa, produzido pela FAPESP e Folha de S.Paulo, tratou das arboviroses, as doenças transmitidas por mosquitos. Quatro vírus veiculados pelo Aedes aegypti – dengue, chikungunya, zika e febre amarela – propagaram-se pela população brasileira em anos recentes e produziram um pico epidêmico entre 2015 e 2017.

Os estudos mostram que o máximo de ocorrência da chikungunya ainda está por ocorrer. Essa doença é grave não apenas pelo episódio agudo em si, mas também pelo fato de poder deixar, como sequela, uma artrite crônica, que eventualmente incapacita a pessoa a exercer sua atividade profissional.

Nogueira, professor na Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto (Famerp), ressaltou que o zika e a chikungunya não entraram no país trazidos pelos próprios mosquitos, mas por humanos.

“Hoje, vivemos uma situação em que todos os lugares do mundo se tornaram muito próximos. Saímos de São Paulo e, em menos de 24 horas, podemos estar no leste da Ásia. Milhões de pessoas estão indo e vindo a todo momento. E, eventualmente, algumas delas chegam doentes. No caso, chegaram trazendo vírus que encontram uma situação extraordinária para se propagar: uma população totalmente naive [“ingênua”] e um país infestado de mosquitos. Então, vivemos com o zika a ‘tempestade perfeita’. E vamos viver ainda a ‘tempestade perfeita’ de chikungunya. Podemos mitigar, mas não há nada que possamos fazer para evitar”, disse.

O pesquisador lembrou que é impossível diferenciar clinicamente a dengue, o zika e a chikungunya, pois os sintomas são muito parecidos: “São, todas elas, doenças febris agudas, parecidas com a gripe. As pessoas apresentam exantemas [vermelhidão na pele], cefaleia [dor de cabeça], mialgia [dor muscular]. Só o diagnóstico molecular permite diferenciar um caso do outro. Mas esse exame é caro. Então, temos que tratar todos os pacientes como se fosse dengue, porque dengue mata, e mata rápido – não é o caso do zika e da chikungunya”, disse.

Nogueira participou do programa ao lado dos pesquisadores Margareth Capurro e Jayme Augusto de Souza-Neto. A mediação foi feita pela jornalista Sabine Righetti.

“Convivemos há muitos anos com o Aedes aegypti e a dengue nas cidades. O que mudou nos anos recentes foi que entraram dois vírus novos: o zika e a chikungunya. E, no país, nenhum humano havia tido contato anteriormente com esses vírus. A situação era favorável para que houvesse uma explosão de ocorrências da doença e, em seguida, uma diminuição – que foi exatamente o que aconteceu”, disse Capurro, professora no Departamento de Parasitologia do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (ICB-USP) e coordenadora do Projeto Aedes Transgênico (PAT).

No pico epidêmico de 2015 a 2017, a dengue foi a enfermidade que apresentou maior prevalência, com 2 milhões e 800 mil casos prováveis – 64% dos casos notificados em todo o continente americano. Seguiram-se a chikungunya (cerca de 292 mil casos) e a zika, com (cerca de 204 mil casos). A febre amarela, que já havia sido considerada uma doença extinta, voltou a incidir, engendrando mais de 3.190 casos, notificados entre dezembro de 2016 e maio de 2017. No conjunto do país, a região Sudeste foi a mais atingida, com destaque para o Estado de São Paulo.

O surgimento ou ressurgimento dessas e de outras doenças transmitidas por mosquitos podem estar relacionados com a mudança climática global. Mas também são condicionados por variáveis sociais, como o tipo de instalação sanitária, a disponibilidade ou não de água canalizada e o destino do lixo. Estima-se que, no Brasil, até 75 milhões de pessoas vivam em áreas de alto risco.

Publicidade
Publicidade