Publicidade
Cotidiano
ESTADO DE SAÚDE

Cirurgia de Bolsonaro é bem-sucedida após facada em presidenciável, diz Mourão

O presidenciável foi para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e vai ficar com uma ileostomia - pedaço do intestino para fora do abdômen para preservar o local da lesão 06/09/2018 às 18:16 - Atualizado em 06/09/2018 às 19:56
Show bolsonaro 4444 d4e2d996 2493 4caf a1e5 3a802e0fb84f
Foto: Divulgação
Por Ricardo Brito e Eduardo Simões

A cirurgia a que foi submetido o candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, após ser esfaqueado durante ato de campanha nesta quinta-feira em Juiz de Fora foi bem-sucedida, disse à Reuters o candidato a vice-presidente na chapa do deputado, general da reserva Hamilton Mourão.

“Ele foi submetido a uma cirurgia, que foi bem-sucedida e passa bem. Agora é esperar a recuperação do Bolsonaro”, disse Mourão à Reuters. O candidato a vice cumpria agenda de campanha no Rio Grande do Sul. Assim que soube do atentado, entrou em contato por telefone com a equipe do candidato na cidade mineira.

Segundo a TV Globo, a facada atingiu o intestino grosso e o intestino delgado do candidato, além de uma artéria, mas os ferimentos foram solucionados durante a cirurgia. Um procedimento também foi realizada para conectar o intestino delgado a uma bolsa fora do corpo, de modo a evitar que as fezes passem pelo intestino grosso e causem uma infecção no local lesionado.

Bolsonaro foi alvo de um ataque quando fazia campanha na cidade mineira. O suspeito de realizar o atentado foi preso em flagrante e teria confessado o crime. Ele foi levado para a Polícia Federal em Juiz de Fora.

Um vídeo, feito por celular, mostrou o momento do ataque. Bolsonaro era carregado nos ombros por simpatizantes, quando sofre a facada na região do abdômen. Outro vídeo mostrou Bolsonaro sendo carregado após sofrer o ataque, com o que parecia ser um papel sobre o local do ferimento.

O filho do presidenciável Flavio Bolsonaro disse no Twitter que o candidato perdeu muito sangue e que o fígado, o pulmão e o intestino de Bolsonaro haviam sido atingidos.

“Infelizmente foi mais grave que esperávamos. A perfuração atingiu parte do fígado, do pulmão e da alça do intestino”, disse Flavio. Segundo a GloboNews, no entanto, o fígado não foi atingido.

A Santa Casa informou que concederá uma entrevista às 20h30. Até o momento, o hospital divulgou uma nota informando do quadro inicial do deputado.

“O paciente Jair Messias Bolsonaro deu entrada no hospital por volta das 15h40 com uma lesão por material perfurocortante na região do abdômen. Ele foi atendido na urgência, passou por um exame de ultrassonografia e agora está no centro cirúrgico”, informou em nota a Santa Casa de Misericórdia de Juiz de Fora.

A PF disse que abriu inquérito para apurar o esfaqueamento e que Bolsonaro contava com a escolta de policiais federais quando foi atingido.

Pouco depois do ataque, outros candidatos à Presidência se manifestaram em repúdio ao atentado contra Bolsonaro, que lidera a corrida presidencial, e pedindo a punição dos responsáveis.

“A violência contra o candidato Jair Bolsonaro é inadmissível e configura um duplo atentado: contra sua integridade física e contra a democracia”, disse a presidenciável da Rede, Marina Silva.

O candidato do PDT, Ciro Gomes, repudiou a violência “como linguagem política”. “Solidarizo-me com meu opositor e exijo que as autoridades identifiquem e punam o ou os responsáveis por esta barbárie.”

O presidenciável do PSDB, Geraldo Alckmin, disse esperar que Bolsonaro se recupere rapidamente. “Política se faz com diálogo e convencimento, jamais com ódio.”

O candidato a vice-presidente pelo PT, Fernando Haddad, classificou como “lastimável” o ataque contra o deputado. “Repudio totalmente qualquer ato de violência e desejo pronto restabelecimento a Jair Bolsonaro... nós democratas precisamos garantir um processo pacífico.”

O ataque a Bolsonaro é mais um episódio de violência ligada à política registrado recentemente no país. No início do ano, um veículo que fazia parte de uma caravana promovida pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi alvo de tiros no Paraná.

Publicidade
Publicidade