Terça-feira, 19 de Novembro de 2019
Notícias

CNJ mantém realização das provas do concurso do TJ-AM marcadas para 09 de junho

As provas de domingo serão para os candidatos aos cargos de analista judiciário I e nível fundamental



1.png Provas para juiz substituto do concurso do TJAM devem acontecer em dois meses
07/06/2013 às 15:09

O conselheiro Wellington Cabral Saraiva, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), indeferiu nesta quinta-feira (06), medida cautelar que pedia suspensão do concurso público do Tribunal de Justiça do Amazonas, no Procedimento de Controle Administrativo (PCA) nº 0003158-39.2013.2.00.0000. Com a decisão, o conselheiro manteve a realização das provas do certame marcadas para o próximo domingo, dia 09 de junho, e concedeu um prazo de 15 dias ao Tribunal para prestar informações ao CNJ sobre os questionamentos contidos na ação.

“No exame superficial da matéria, compatível com esta fase processual, não vislumbro sinal de bom direito para conceder a medida de urgência, considerada a total ausência de prova das alegações”, afirmou o conselheiro em sua decisão.

Em outro trecho, Wellington Cabral Saraiva diz não ser razoável a suspensão do certame “que se vem realizando regularmente, com presunção de legalidade e decerto com milhares de candidatos inscritos, a três dias da realização de uma das provas objetivas, com fundamento em mera suposição de que assessores de membro da banca examinadora poderiam estar inscritos no certame”. Os dois concursos do TJAM possuem mais de 76 mil candidatos com inscrições efetivadas, provenientes de todas as regiões do País.

O conselheiro continua a decisão explicando que “a decisão que suspendeu o concurso para o cargo de juiz de Direito substituto do TJAM, no PCA 0002920-20.2013, em nenhum momento tratou de impedimento de membro da banca examinadora. O fundamento da decisão foi a ausência de divulgação da composição do concurso e da comissão examinadora, à luz da resolução 75, de 12 de maio de 2009, deste Conselho”, afirma Saraiva. Ele conclui a decisão declarando que “é prudente, pois, que se aguardem as informações a serem prestadas pelo Tribunal de Justiça do Amazonas. Em face do exposto, indefiro o pedido de medida cautelar”.

Em outra ação, a de nº 0003156-69.2013.2.00.0000, também sob relatoria do conselheiro Wellington Cabral Saraiva, o pedido de medida cautelar foi indeferido nesta sexta-feira (07). De acordo com o relatório, o autor da ação, Eduardo David Barbosa Guimarães, pedia que o CNJ determinasse que o TJAM incluísse “fase de avaliação de títulos” no concurso público para provimento de vagas de níveis superior, médio e fundamental, baseando seu argumento na Lei Estadual 3.226, de 04 de março de 2008, que dispõe sobre o Plano de Cargos, Carreiras e Salários dos servidores do Poder Judiciário do Amazonas.

A alteração deveria ocorrer, conforme o autor do processo, porque o edital prevê somente a realização de provas objetivas.

Na decisão, o relator avalia que, ainda que o requerente esteja com a razão, as providências para essa inclusão poderiam ser feitas “depois de aplicadas as provas objetivas e conhecidos os aprovados nela”. Na decisão, o conselheiro afirma que “a prova a ocorrer no próximo final de semana não é nem seria em nada afetada pela conclusão da exigibilidade de exame de título para os cargos em questão. O edital poderia ser retificado em seguida, e os candidatos aprovados à fase seguinte teriam condições de preparar-se para submeter seus títulos com a necessária antecedência”.  

Polícia Federal

Em relação ao envelope de provas que está sendo periciado pela Polícia Federal, o presidente da Comissão dos Concursos do TJAM, desembargador Aristóteles Lima Thury, reiterou hoje (07) que a perícia foi solicitada pela Comissão ao superintendente da Polícia Federal no Amazonas, delegado Sérgio Fontes, a fim de preservar a lisura do concurso promovido no último domingo dia 02.

Thury explicou que oficiou à PF e também ao presidente do TJ-AM, desembargador Ari Moutinho, o ocorrido com um envelope de provas de que haveria um rasgo no mesmo, possivelmente em decorrência da movimentação desse material durante o seu transporte. “Para resguardar a lisura do concurso e a tranquilidade dos candidatos, tão logo a Comissão recebeu o relatório da FGV oficiou a PF para proceder com a perícia no respectivo pacote e, assim que for concluída e a Comissão possa se manifestar acerca dos resultados, será levado ao conhecimento público”, esclareceu Thury, enfatizando que todos os candidatos que estavam na sala de aula e acompanharam os procedimentos da FGV Projetos quanto ao assunto, realizaram as provas nesse dia.

*Com informações da assessoria do TJ-AM.





Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.