Terça-feira, 03 de Agosto de 2021
Reação

Coca-Cola perde US$ 4 bilhões após gesto de Cristiano Ronaldo durante coletiva da Eurocopa

Em termos econômicos, a empresa perdeu US$ 4 bilhões, saindo de US$ 242 bilhões para US$ 238 bilhões



cristiano_6F87903E-724E-49C7-9EE9-53BA06E8C419.JPG Foto: Reprodução
15/06/2021 às 18:31

A Coca-Cola apresentou uma perda de US$ 4 bilhões em valor de mercado logo após atitude de Cristiano Ronaldo em afastar duas garrinhas do refrigerante durante a coletiva de imprensa da Eurocopa, na segunda-feira (14). O gesto do jogador português pode ter custado caro para a empresa de refrigerantes que é patrocinadora oficial da Eurocopa e da Seleção de Portugal.

Ao chegar para a coletiva e ver os refrigerantes sobre a mesa, o jogador português afastou as garrafinhas até escondê-las das câmeras. Depois pegou uma garrafinha com água e a levantou, em um gesto que deu a entender que o certo é beber água. As garrafas de Coca-Cola estavam sobre a mesa para fazer propaganda da marca patrocinadora do campeonato.

Segundo o jornal espanhol ‘Marca’, cerca de 30 minutos após o gesto do atacante português, as ações da Coca-Cola despencaram para US$ 55,22, provocando uma desvalorização muito grande. Antes da coletiva, as ações estavam custando US$ 56,10. Em termos econômicos, a empresa perdeu US$ 4 bilhões com isso, saindo de US$ 242 bilhões para US$ 238 bilhões.

Cristiano Ronaldo já tinha criticado o consumo de refrigerantes ao falar sobre a alimentação de seu filho mais velho, ano passado. Defensor da alimentação saudável, o jogador afirmou que fica irritado ao ver o filho consumindo Coca-Cola, Fanta, batatas fritas, entre outros alimentos. “Ele sabe que eu não gosto. Até meus filhos menores, quando eles comem chocolate, sempre olham para mim", disse o jogador.



News portal1 841523c7 f273 4620 9850 2a115840b1c3
Jornalismo com credibilidade

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.