Segunda-feira, 19 de Abril de 2021
Declaração polêmica

Com desemprego em alta, Bolsonaro diz que brasileiro não está preparado para fazer ‘quase nada’

Entre agosto e outubro do ano passado, a taxa de desemprego foi a 14,3%, segundo o IBGE



Sem_t_tulo_0FB389C5-27A8-41FD-883B-212FCB32F316.jpg Foto: REUTERS
06/01/2021 às 07:40

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta terça-feira (6), que um dos motivos para o desemprego alto no Brasil é que parte da população não está preparada para fazer “quase nada”, num momento em que a taxa de desocupação no país segue elevada em meio à pandemia do novo coronavírus.

Em conversa no Palácio da Alvorada com apoiadores, Bolsonaro disse que, antes da reforma trabalhista, o Brasil tinha mais ações nesse ramo da Justiça do que o mundo inteiro junto e novamente saiu em defesa do empregador. O presidente não apresentou evidências.



“Vá ser patrão num país desses! Pessoal fala muito em empregado, vai ser patrão! Ser patrão é uma desgraça”, disse.

“Então, é um país difícil de trabalhar, quando fala em desemprego, é alto por vários motivos. A formação do brasileiro, uma parte considerável não está preparada para fazer quase nada”.

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgados na semana passada apontaram que o Brasil iniciou o quarto trimestre do ano passado com aumento no número de desempregados diante da maior procura por emprego.

O resultado ficou acima da taxa de 13,8% vista no trimestre imediatamente anterior, de maio a julho, mas cedeu em relação aos 14,6% vistos no trimestre até setembro --máxima da série histórica da Pnad Contínua iniciada em 2012.

O presidente também afirmou na conversa com apoiadores que não há recursos para prorrogar o auxílio emergencial. “Alguns querem que prorrogue, mas o dinheiro do auxílio não estava no cofre, nós nos endividamos. Quem vai pagar a conta?”

 


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.