Publicidade
Cotidiano
Notícias

Comércio prevê contratação de 6 mil temporários

Pelo menos 30% da mão de obra contratada para atender o movimento de fim de ano deve ser absorvida em novembro 31/10/2013 às 07:47
Show 1
Metade (50%) dos empresários entrevistados afirma que pagará até um salário mínimo pelo novo colaborador e 39% entre dois e três salários
Cinthia Guimarães ---

Quem estiver à procura de emprego temporário no fim do ano deve ficar de olho nas oportunidades que os setores de comércio e serviços vão oferecer neste próximo mês. Pelo menos 30% da mão de obra contratada para atender o movimento de fim de ano devem ser absorvida em novembro, especialmente para os segmentos que precisam dar treinamento aos empregados.

A constatação é do presidente da Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas (FCLD) do Amazonas, Ezra Benzion, que estima contratação de 6 mil pessoas para atender a demanda aquecida do Natal, ampliando o quadro de funcionários nos coméricios de bairros, Centro e shoppings centers.

Só os lojistas dos shoppings centers estimam a contratação de 1,6 mil trabalhadores temporários neste fim de ano. Pelo menos 10% do total já foi contratado em outubro por conta do Dia das Crianças e mais 20% devem ser começar a trabalhar no próximo mês, segundo os dados.

Em todo o País quase metade das 233 mil vagas temporárias de fim de ano devem (48%) devem ser preenchidas em novembro pelos setores do comércio e de serviços, segundo levantamento realizado pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL).

“Temos histórico de começar a fazer testes, ou seja, não dá pra contratar em cima da hora. Alguns tem necessidade de treinamento e aprendizado sobre alguns sobre produtos, por isso entram em novembro. Por último entra o pessoal da área de calçados, confecções e perfumaria. O temporário não é só pra trabalhar nesse período, mas pra reciclar o quadro”, explicou o dirigente da FCLD, EzraBenzion.

Pesquisa nacional

Dos empresários consultados pela pesquisa da CNDL que têm a intenção de fazer alguma contratação, quase a metade (48%) afirmou que deixará para realizá-la no mês de novembro. 27% afirmaram que pretendiam dar início as seleções no mês de outubro, 19% alegaram já ter realizado a contratação e apenas 5% esperariam até dezembro para concretizá-las.

Período

Na avaliação de Roque Pellizzaro Junior, presidente da CNDL, “o ideal é que as contratações tivessem sido feitas até outubro, assim, os novos funcionários passariam por um período de treinamento e adaptação. No entanto, a pesquisa mostra que muitos empresários acabam deixando para reforçar o quadro de funcionários já no mês de novembro”, destacou.

O gerente financeiro do SPC Brasil, Flávio Borges, explica que é importante para os lojistas continuarem com esses colaboradores por mais um tempo após o Natal por conta da alta demanda no período de troca de presentes e de liquidações no início de ano.

Perspectiva de venda positiva

A pesquisa da CNDL revelou que as perspectivas de vendas para o fim de ano esboçam um quadro positivo: 83% dos empresários entrevistados esperam vendas iguais ou maiores do que as de 2012 e apenas 12% acreditam que a situação será pior. O principal motivo para esse otimismo, citado por 36%, é a maior disponibilidade de crédito no mercado.

Os economistas do SPC Brasil avaliam que apesar dos recentes indicadores sinalizarem que o consumidor está mais cauteloso para comprar à prazo, é natural que o período natalino impulsione as vendas no comércio, já que tradicionalmente é a data de maior lucratividade para o varejo nacional.

A pesquisa também procurou conhecer características pessoais e habilidades profissionais dos empregados procurados pelos comerciantes. Nove em cada dez (91%) contratados devem ter entre 18 e 34 anos e as funções mais demandadas são a de vendedor (32%), caixa (16%) e estoquista (13%).

O estudo mostrou que metade (50%) dos empresários entrevistados afirma que pagará até um salário mínimo pelo novo colaborador e 39% entre dois e três salários mínimos.

O estudo ouviu 731 empresários do setor de comércio e serviços de todas as 27 capitais brasileiras. A margem de erro do estudo é de 3,6 p.p para um intervalo de confiança de 95%.

Em números

6 mil temporários é o que o comércio de Manaus está prevendo contratar para este fim de ano, sendo boa parte deles absorvidos até as liquidações de janeiro.

233 mil trabalhadores temporários devem ser absorvidos pelos setores do comércio e de serviços no Brasil e a maior parte das novas vagas será preenchida no mês de novembro.

83% dos empresários entrevistados pela pesquisa da CNDL esperam vendas iguais ou maiores do que as de 2012 e apenas 12% acreditam que a situação será pior.

Publicidade
Publicidade