Publicidade
Cotidiano
Notícias

Comissão do Ministério Público chega a Coari para averiguar motivos de revolta popular

Objetivo é investigar a revolta de populares e possíveis irregularidades na prefeitura. MPE disse que a situação do município é preocupante 20/01/2015 às 14:19
Show 1
População revoltado saqueou a casa do prefeito de Coari por atraso de pagamentos
acritica.com* Manaus (AM)

Uma comissão do Ministério Público  do Amazonas (MP-AM) chegou na manhã desta terça-feira (10) ao município de Coari (a 370 quilômetros), com a finalidade de investigar, in loco, a ação de um grupo de populares que causou a destruição de parte do patrimônio público na cidade e bens do prefeito Igson Monteiro (PMDB), no dia 14 deste mês. O MPE vai averiguar eventuais irregularidades  cometidas pela administração municipal, segundo informações da assessoria.

Segundo o procurador-geral de Justiça em exercício, Pedro Bezerra Filho, a situação de Coari é preocupante. Pedro Bezerra disse que a comissão atuará, também, dando suporte ao trabalho do promotor de Justiça Felipe Fish, lotado na Comarca de Coari, para conferir maior celeridade às providencias que o MP-AM deve tomar em relação ao ocorrido.

“Tudo o que for coletado pela comissão vai compor um relatório que será repassado ao Conselho Superior do MP-AM (CSMP) e, em cima do relatório elaborado, o MP-AM decidirá o que deve fazer”, disse Pedro Bezerra.

Investigações

O procurador-geral do MP-AM, Fábio Monteiro, que está de férias, disse que considerar a ida da comissão a Coari  importante, pois, além de buscar identificar os motivos que levaram ao “quebra-quebra” da semana passada, com o objetivo de identificar os responsáveis, a comissão vai investigar eventuais irregularidades que podem estar sendo cometidas pela prefeitura.

“É importante que se diga que não estamos indo a Coari para trabalhar contra a população. Claro que não compactuamos com o que ocorreu, mas queremos saber os motivos do ocorrido, principalmente investigar se as ações foram resultado da improbidade administrativa que pode estar sendo cometida pela gestão atual”, afirmou Fábio Monteiro.

A comissão do MP-AM que está em Coari é formada pelo procurador de Justiça Público Caio Bessa, que é, também, membro do CSMP; pelo promotor de Justiça do CAO-Crimo, Alberto Nascimento Júnior, que coordena as promotorias criminais do MP-AM; pelo promotor de Justiça Igor Peixoto, lotado na Comarca de Boa Vista do Ramos, mas que estava em Manaus, na 74ª Promotoria do Juizado Especial Criminal, e pelo major da Polícia Militar do Amazonas, Algenor Teixeira, Chefe da Assistência Militar do MP-AM, que foi acompanhado de mais dois oficiais da PM, da equipe de inteligência do quadro do MP-AM. Pedro Bezerra não deu mais detalhes sobre a comissão, para não atrapalhar os trabalhos que serão feitos em Coari, que fica a 362,84 quilômetros de Manaus,em linha reta.

Publicidade
Publicidade